Presidente angolano encoraja autoridades centro-africanas a liderarem processo de paz

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, encorajou hoje 16, as autoridades centro-africanas a assumirem e liderarem o processo de paz no país, afirmando que se aproximam do fim as diligências regionais, com bons resultados.

DR

Agência Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

João Lourenço também presidente em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), fez em Luanda o discurso de abertura da terceira mini-cimeira da CIRGL sobre a situação política e de segurança na República Centro-Africana (RCA).

 

No encontro participam os Presidentes da República do Congo, Sassou Nguesso, e da RCA, Faustin-Archange Touadéra, os presidentes do Conselho Militar de Transição da República do Chade, Mahamat Idriss Déby, e Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, e representantes dos chefes de Estado dos Camarões, Sudão, República Democrática do Congo (RDCongo) e Ruanda.

 

O chefe de Estado angolano acredita que, com a mini-cimeira, se está a caminhar para a “conclusão de um ciclo de diligências regionais” cujos resultados deixam a esperança de que será alcançada brevemente uma solução sustentável e duradoura para o conflito na RCA.

 

Encorajou, por isso, o Presidente Faustin Archange Touadéra a “continuar com a força de vontade e compromisso que tem demonstrado, assumindo e liderando este processo de paz”, capitalizando os esforços de negociação que têm sido levados a cabo.

 

“Num momento em que assistimos ao recrudescer das ações de terrorismo na região do Sahel, ao ressurgimento do fenómeno do mercenarismo e à alteração da ordem constitucional por via de golpes de Estado na África do Oeste, como no Mali e mais recentemente na Guiné, a República Centro-Africana não deve perder esta oportunidade que se lhe oferece de alcançar a paz”, advogou Lourenço.

 

E acrescentou: “Não apenas pela via da conjugação de esforços das forças militares nacionais e do contingente das Nações Unidas, mas também em capitalizar os avanços alcançados no campo da negociação quer com as forças políticas internas da oposição e da sociedade civil, assim como com as lideranças dos grupos rebeldes a partir do exterior, através dos bons ofícios de Angola, do Ruanda e do Chade em nome das duas sub-regiões, a CIRGL e a CEEAC”.

 

João Lourenço sublinhou que o roteiro para a paz aprovado em abril é um importante instrumento, que define os principais eixos e o conjunto de ações a implementar no âmbito do processo de pacificação, e que a participação de todas as forças vivas centro-africanas será indispensável para o seu sucesso.

 

Reportou ainda as diligências feitas relativamente ao levantamento definitivo do embargo de armas de que a RCA ainda é vítima, destacando que em 23 de junho, em Nova Iorque, durante a reunião extraordinária do Conselho de Segurança da ONU foram “apresentadas as ações realizadas a nível regional no âmbito da resolução do conflito centro-africano” e feito um apelo à solidariedade e ao apoio da comunidade internacional “no sentido de juntar-se à visão e esforços da região para o alcance de uma paz duradoura naquele país”.

 

Foi também manifestada a preocupação quanto ao embargo de armas, na medida em que a RCA “está a viver um contexto político interno diferente, caracterizado pela legitimidade das instituições do Estado”, e as autoridades centro-africanas estão impedidas de usufruir das capacidades necessárias para garantir a sua própria segurança.

 

Realçou, por outro lado, que a resolução entretanto adotada reflete já “um relativo aliviamento do referido embargo”.

 

João Lourenço apelou ainda que a cimeira junte a sua voz à da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), da União Africana e das Nações Unidas, pela libertação imediata e incondicional de Alpha Condé, Presidente da República da Guiné.

Na cimeira será apresentado um relatório sobre a implementação das decisões saídas da 2.ª mini-cimeira de Luanda de 20 de abril de 2021, bem como o Roteiro Conjunto para a Paz na República Centro-Africana (Repúblicas de Angola e do Ruanda).

PUB