Presidente angolano acreditou oito embaixadores, relações diplomáticas em alta

O Chefe de Estado recebeu, esta sexta-feira(19), as cartas credenciais de quatro embaixadores com a categoria de não residentes, depois de, no dia anterior, ter recebido as credenciais de quatro diplomatas, entre os quais três com residência em Luanda.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Trata-se dos novos embaixadores da República Islâmica do Irão, Mehdi Aghajafari, do Níger, Mariama Seydou, do Reino da Dinamarca, Tobias Rahfeld, e da República Checa, Pavel Rezac.De 58 anos, o iraniano Mehdi Aghajafari vai chefiar pela segunda vez uma missão diplomática do seu país, depois de exercer as funções no Malawi. O diplomata também já foi consultor no Ministério dos Negócios Estrangeiros do seu país.

Mariama Seydou, 59 anos, exerceu diplomacia na Missão nigerina junto das Nações Unidas, em Nova Iorque, enquanto o dinamarquês Tobias Rahfeld, 48 anos, trabalhou como primeiro-secretário da representação diplomática junto da ONU, também em Nova Iorque, além de outras funções diplomáticas no seu país.

 

Entre os embaixadores que apresentaram, ontem, as credenciais, quem mais embaixadas do seu país chefiou é o checo Pavel Rezac, nomeadamente no Quénia, Uganda, Tanzânia e Burundi. Reza, 60 anos, é formado em Direito pela Universidade de Praga.

 

Na quinta-feira, o Presidente João Lourenço recebeu as cartas credenciais dos embaixadores da Alemanha, Stefan Traumann, da Côte d’Ivoire, Somet Santiero Jean-Marie, da Guiné-Bissau, Apolinário Mendes de Carvalho, e da Grécia, Calliope Penny Douti, a única diplomata com o estatuto de não residente.

 

À saída do encontro com o Chefe de Estado angolano, o embaixador Stefan Traumann anunciou a intenção de o seu país abrir, em Angola, um gabinete para que empresas alemãs cooperem com o Governo angolano na área da energia de hidrogénio.

 

Por seu turno, o novo embaixador da Guiné-Bissau, Apolinário Mendes de Carvalho apontou o reforço da amizade, solidariedade e fraternidade entre os angolanos e guineenses das prioridades da sua missão em Angola.

PUB