Mfuca Muzemba prepara-se para anunciar “novos desafios” na política

O antigo secretário-geral da Juventude Unida Revolucionária de Angola (JURA), Mfuca Muzemba, deixou a militância na UNITA, evocando razões pessoais, mas garante que vai continuar na política.

DR

VOA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Antigo dirigente da UNITA diz que “todas as possiblidades estão abertas”

O antigo secretário-geral da Juventude Unida Revolucionária de Angola (JURA), Mfuca Muzemba, deixou a militância na UNITA, evocando razões pessoais, mas garante que vai continuar na política.

Em entrevista à VOA, ele disse estar a analisar o melhor momento para anunciar os “novos desafios”.

Sem mencionar o partido em que vai militar, Mfuca Mfuakaka António Muzemba afirmou não poder mais viver sem o exercício da política, e por isso, brevemente vai anunciar onde poderá exercer as novas funções.

“Eu vivo, eu respiro, eu como, eu durmo com a politica, nós vamos continuar sempre com a política”, revelou Muzemba que, questionado se vai criar um partido, afirmou que “em brevemente será anunciado” o que vai fazer.

Quanto a uma possível entrada na MPLA, partido no poder, admitiu que “todas as possibilidades estão em abertas”.

Em relação à saída da UNITA, o antigo secretário-geral da JURA afirmou que o fez “sem qualquer sentimento de mágoa e muito menos tristeza”, e por isso, agora, não tem qualquer opinião sobre o seu antigo partido.

“Desde que eu abandonei a UNITA, eu fiquei sem opinião sobre a UNITA”, sublinhou e quanto ao MPLA afirmou que “também tem os seus militantes”.

“Em relação à governação vamos falar muito”, concluiu Mfuca Muzemba.

No passado dia 10, ele renunciou à militância na UNITA em carta enviada ao partido, na qual alegou “razões pessoais” e falou “em “sucessivos bloqueios”.

A saída acontece oito anos depois de a direcção do “Galo Negro” o ter expulso da liderança da JURA, por suspeitar que teria recebido milhões de dólares e viaturas para travar manifestações contra o antigo Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

Na ocasião foi suspenso, mas depois de uma investigação viria ser reintegrado ao partido, que agora abandonou.

PUB