Maria Eugénia Neto gravemente doente na Clínica Girassol em Luanda

Maria Eugénia Neto de 88 anos, viúva do Primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, encontra-se internada sob cuidados intensivos da clínica Girassol a receber o tratamento, soube este portal de fontes médicas.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A informação foi é também confirmada na página oficial da Presidência angolana, que referiu que “O Chefe de Estado, João Lourenço, esteve ao princípio da tarde desta quinta-feira na Clínica Girassol, em Luanda, para confortar Maria Eugénia Neto, viúva do Primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, que se encontra a receber cuidados médicos na referida unidade de saúde”, sem no entanto adiantar mais dados sobre o estado da saúde da antiga primeira dama, cujo a filha Irene Neto viu o marido Carlos São Vicente a ser condenado por 9 anos de prisão.

Carlos de São Vicente, marido de Irene Neto, filha do primeiro Presidente de Angola, foi condenado a (24.03) pelos crimes de peculato, branqueamento de capitais e fraude fiscal e a defesa garante que vai recorrer da sentença a 9 anos de prisão

O genro de Neto, que se encontra  detido na Prisão de São Paulo em Luanda, terá desviado alegadamente fundos dos AAA, que a Sonangol confiou aquela filial seguradora, dos quais mais de 900 milhões de dólares foram congelados na Suíça.

O empresário, que durante quase duas décadas teve o monopólio dos seguros e resseguros da petrolífera estatal angolana Sonangol, terá montado um esquema triangular, com empresas em Angola, Londres e Bermudas, que gerou perdas para o tesouro angolano, em termos fiscais.

Com este esquema, e segundo o mesmo documento, Carlos São Vicente, dono de um dos maiores grupos empresariais privados de então em Angola, terá também conseguido não partilhar lucros do negócio dos seguros e resseguros com outras cosseguradoras, como a seguradora pública ENSA, prejudicando, deste modo, estas empresas, bem como a própria Sonangol.

Para a acusação, Carlos São Vicente criou a partir de determinada altura uma “espécie de negócio consigo próprio, dentro do grupo AAA [de que era proprietário], causando o desvio de fundos públicos”.

PUB