MAPTSS: Ministra Teresa Dias dribla Concurso Público em contrato de milhões

O processo de contratação da empresa em causa, para o objectivo que se pretende, não foi transparente, uma vez que não houve qualquer concurso público.

D.R

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Desde a sua ascensão, em meados do mês de Março do corrente ano, ao cargo de ministra da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS), Teresa Rodrigues Dias tem sido alvo de acirradas críticas de vozes que se levantam, internamente, contra a sua suposta “má gestão” do sector, Administração Pública.

Seb suspeita de um contrato de prestação de serviço para consultoria, menos transparente, desta vez, a ministra está ser acusada por supostos actos de “favoritismo” conotada pela contratação de uma empresa, “KJG-Consultoria Empresarial” sem, presumivelmente, ter cumprido com os procedimentos de contratação públicas, tendo em conta a transparência e lisura do processo, para fazer “O diagnóstico de gestão do MAPTSS e melhorar o controlo do património do sector”, cujo orçamente está avaliado em 134 milhões de Kwanzas.

Teresa Dias, enquanto ministra, dirige um dos ministérios (MAPTESS) com maior número de institutos sob sua tutela.

Porém, a celebração contratual com a (KJG-Consultoria Empresarial), segundo as fontes, visa igualmente “realizar também diagnóstico do sector, de modo a encontrar os mecanismos para o incremento dos cursos de formação profissional”, mas o processo de contratação da empresa em causa, para o objectivo que se pretende, não foi transparente, uma vez que não houve qualquer concurso público.

Segundo ainda interlocutores da investigação Repórter Angola, a empresa contratada é representada apenas por um único trabalhador, o que, no entender dos denunciantes, não ter sido possível uma empresa com um único funcionário ganhar e celebrar um contrato na dimensão e complexidade do diagnóstico/estudo que se pretende no MAPTSS, orçado em 134 milhões de Kwanzas.

O colectivo de denunciantes realça ao Repórter Angola que as “conclusões do referido diagnóstico realizado pela empresa KJG-Consultoria Empresarial, com ligações aos interesses da ministra Teresa Dias, não têm substância nenhuma”.

A ineficácia do trabalho realizado pela citada empresa era prevista por muitos funcionários seniores do MAPTSS, que avaliaram, de antemão, como sendo “amadores”, os técnicos envolvidos no diagnóstico/estudo, uma vez que não mostravam conhecimento algum sobres “Sistema de Segurança Social Angolano”, disseram.

PUB