Manifestação provoca Guerra aberta entre MPLA e UNITA que diz que não se deixa intimidar

A UNITA já reagiu e considerou "contraditório" o discurso do presidente do MPLA, João Lourenço, ao reiterar o direito à manifestação, na abertura da IV sessão ordinária do Comité Central do seu partido.

Jonas Pensador

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Em declarações ao Repórter Angola, o Deputado Nelito Ekuikui, que por sinal é secretário provincial de Luanda da UNITA, que liderou a representação do partido na manifestação de Sábado, 24, disse  que as palavras que João Lourenço são contraditórias porque
afirmam o direito à manifestação e, ao mesmo tempo, é dito que a UNITA não tinha esse direito.

“Não entendemos o discurso do senhor presidente do MPLA, ao afirmar que os cidadãos angolanos têm o direito de reunião e de manifestação, parece ter ignorado que foi isso simplesmente o que fizemos”, frisou.

Nelito Ekuikui disse que “um deputado é um cidadão comum e pode participar em qualquer manifestação para exigir melhorias de
condições de vida dos cidadãos que representa no Parlamento”.
“Fomos eleitos pelo povo. No momento em que o nosso eleitorado atravessa momentos difíceis da vida, nós os deputados temos que manifestar a nossa solidariedade”, acrescentou, salientando que a presença na manifestação “não merece repúdio porque estão a cumprir o que a Constituição de Angola diz ser um direito”

A manifestação de Sábado foi organizada pela sociedade civil – Movimentos Revolucionário e pela Cidadania, com o apoio da UNITA e do Bloco Democrático – e culminou com a detenção de 103 pessoas que estão agora em julgamento sumário no Tribunal Provincial de Luanda.
Relativamente ao envolvimento directo da UNITA e os seus deputados à Assembleia Nacional na manifestação, fortemente criticada por João
Lourenço,

De acordo com o deputado, o discurso do Presidente do MPLA não intimida a UNITA quando refere que o principal partido da oposição “deve assumir todas as consequências dos seus actos”, considerando ter sido uma “irresponsabilidade”. que pode ter contribuído para o aumento acentuado de novos casos de contaminação por Covid-19.
“O senhor Presidente do MPLA não pode intimidar a UNITA. O Executivo que ele dirige, deve dialogar com a sociedade, para o País sair da crise em que se encontra neste momento”, referiu.
Na sua opinião, o comportamento da UNITA não vai deitar por terra todo o esforço que a Nação vem fazendo, desde Março do corrente ano, no combate à pandemia.
“Neste luta contra a Covid-19, o Executivo conta com o apoio da UNITA e da sociedade civil em geral. O que estamos a pedir é que o Governo trace políticas claras para mitigar a crise que afecta os angolanos, não obstante a pandemia”, insistiu, sublinhando que o estado de emergência que se quer implementar novamente no País “é para escapar à responsabilidade porque o Executivo não consegue cumprir o que prometeu”.

O presidente do MPLA, e também Presidente da República, referiu-se, no discurso de abertura do CC, à manifestação do m-de-semana, organizada pela sociedade civil e que contou com o apoio da UNITA e do Bloco Democrático, com críticas à forma como esta foi organizada contrariando as disposições inseridas no decreto Presidencial para o controlo da Covid-19.
Neste discurso, onde João Lourenço focou a sua atenção nos episódios recentes, gerados pela manifestação, que foi reprimida pela polícia, dando origem à detenção de 103 jovens, que estão em julgamento sumário no Tribunal Provincial de Luanda, ficou claro que o líder do MPLA e Chefe de Estado viu de forma negativa o apoio conferido pelo maior partido da oposição aos promotores do protesto.
O Presidente da República, embora falando na qualidade de líder partidário, apontou como “tristes” os episódios de violência verificados no contexto da manifestação que o Movimento Revolucionário e o Movimento para a Cidadania organizaram para exigir medidas contra o
desemprego, contra o aumento do custo de vida e pela marcação das eleições autárquicas.
Considerou “reprovável” o envolvimento da UNITA e dos seus dirigentes, incluindo deputados à Assembleia Nacional, “devidamente identificados”. sublinhando que esse comportamento deve “merecer o mais veemente repúdio da sociedade angolana” e devem assumir as responsabilidades.
João Lourenço disse que Executivo convocou para não “permitir que partidos políticos com assento parlamentar incitem
jovens à desobediência civil” e deixou claro que no seu entender o maior partido da oposição deve assumir as consequências da sua
“irresponsabilidade”.
E fez questão de sublinhar a ideia de que o direito à manifestação em Angola não é ficção, porque o País já assistiu a manifestações pacíficas, protestos e reivindicações, sem problemas, mas abriu um parêntesis para o período que o País e o mundo atravessam graças à pandemia da Covid-19, cujas medidas de controlo à sua expansão impõem “restrições temporárias” a esses direitos.

Aviso directo à direcção da UNITA
Apontando as baterias à UNITA, de forma concreta e intencional, o presidente do MPLA disse que existe a possibilidade de o comportamento dos dirigentes do partido do “Galo Negro” poder levar à obrigação de um novo período de “estado de emergência”.
João Lourenço deixou ainda entender que os dirigentes da UNITA não respeitam o investimento que o País está a fazer no combate à pandemia, desde
Reiteramos aqui o direito à manifestação, algo que é uma realidade no nosso país, onde já tiveram lugar manifestações pacíficas de protesto ou de reivindicação de direitos, mas não posso deixar aqui de manifestar a nossa indignação com os mais recentes e tristes acontecimentos em Luanda, de desrespeito do Decreto Presidencial que proíbe ajuntamentos populacionais, protagonizado por um grupo de jovens que cometeram desacatos na via pública, destruíram bens públicos e privados de pacatos cidadãos”.

 

para Lourenço, “O envolvimento directo da UNITA e seus deputados à Assembleia Nacional devidamente identificados é reprovável e deve merecer o mais veemente repúdio da sociedade angolana, que não pode permitir que partidos políticos com assento parlamentar, incitem os jovens  e a população para a desobediência civil”.

 

O Chefe de Estado inclinou as baterias da responsabilização dos maninhos em caso de propagação da Covid-19 “A UNITA deve assumir todas as consequências dos seus actos de irresponsabilidade, que podem contribuir para o aumento acentuado de novos casos de contaminação por COVID-19”.

“Este comportamento da UNITA pode comprometer e deitar por terra todo o esforço que a nação vem fazendo desde Março do corrente ano no combate a pandemia, todo investimento feito em hospitais de campanha, camas e ventiladores e materiais de biosegurança, laboratórios de biologia molecular, todo o sacrifício consentido todos os dias pelos profissionais de saúde que arriscam as suas próprias vidas para salvar outras vidas” disse JLO, que deixou ainda um aviso de que isso pode o obrigar a decretar um novo Estado de Emergência.

“Este comportamento pode levar o país a ter de entrar novamente numa situação de Estado de Emergência que todos gostaríamos de evitar, pelas consequências graves na vida familiar, social e profissional das pessoas e na economia do país”.

Já no fim do seu discurso, o líder do MPLA, disse que o que a UNITA pretende é “A estratégia de tornar o país ingovernável para forçar negociações bilaterais no actual contexto político, em que as instituições democraticamente constituídas funcionam em pleno, não é concretizável. Perante a probabilidade de réplica do que se passou em Luanda pelo país fora, as autoridades competentes vão continuar atentas e cumprir com o seu papel de manutenção da ordem pública e fazer cumprir as medidas tomadas no quadro do Estado de Calamidade Pública.“.

E deixou, mais na vertente política um recado, procurando demonstrar aquilo que entende ser a estratégia da UNITA, que é a garantia de que, se o presidente do maior partido da oposição, Adalberto da Costa Júnior, pretende forçar negociações bilaterais a partir de uma situação de “ingovernabilidade do País”, isso “não é concretizável” no contexto político actual onde, lembrou João Lourenço

PUB