Luther Rescova: “Morto de luxo” foi esta segunda-feira a enterrar 72h depois no Benfica

por norma quem morre de Covid-19, deve ser enterrado 24h depois, com a presença de 2 a 5 membros da família. Não é o caso de Sérgio Rescova, programa fúnebre que o Repórter Angola teve acesso indica que o corpo do malogrado passará na residência da mãe no condomínio do Golf2 (junto a ENDE) por volta das 13h e depois segue para o cemitério do Alto das Cruzes, quando todos mortos por coronavírus são enterrados no Benfica, factor que torna Luther Rescova Joaquim num "morto de luxo".

Gabriel G

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Ex-governador do Uíge Sergio Luther Rescova Joaquim vai hoje a enterrar por volta das 13h, o corpo passa ainda na residencia oficial da sua mãe, no municipio do Kilamba Kiaxi.

Na sequência da morte do jovem político, várias mensagens de condolências inundaram as redes sociais, vindas de diferentes personalidades da sociedade angolana.

O Presidente da República, João Lourenço, na nota de condolências à família de Luther Rescova, diz que “foi com a mais profunda consternação que acabo de tomar conhecimento do falecimento de Sérgio Luther Rescova, governador da província do Uíge, por doença. Apresento à família do malogrado os meus mais sentidos pêsames, em meu nome, no da minha família e de todo o Executivo”.

Políticos, músicos, activistas, jornalistas, empresários, académicos e fazedores de opinião lamentam a morte do governador da província do Uíge, Sérgio Luther Rescova Joaquim, ocorrida na noite desta sexta-feira, 09, numa unidade hospitalar de Luanda, vítima de covid-19.

entretanto o Activista Rafael Manzambi Nsoki questiona “Se é mesmo covid-19 em 24H devia se realizar o funeral ou a regra muda quando é um político? escreveu na sua rede social.

Carlos Alberto um jornalista ligado a ERCA, também escreveu qualquer coisa “Luther Rescova amava Angola e os angolanos como poucos.” E onde estão os resultados? Gozar com a cara do povo cego também não é assim. Não aceito isso.” escreveu na sua pagina do Facebook.

Rui Falcão considera a morte prematura do governador da província do Uíge, Sérgio Luther Rescova, “um jovem carismático e querido por todos”, constitui um grande constrangimento, pois tinha uma inteligência muito acima da média e uma alegria extraordinária, considera o primeiro secretário do MPLA em Benguela.

Sérgio Luther Rescova Joaquim nasceu a 16 de Maio de 1980, no município da Damba, província do Uíge.

Mestre em Ciências Jurídico-Políticas e licenciado em Direito, pela Universidade Católica de Angola, foi deputado à Assembleia Nacional, desde 2008, inserido na Comissão de Assuntos Constitucionais e Jurídicos e membro do Conselho da República.

Sérgio Luther exerceu, também, o cargo de secretário nacional da JMPLA, organização juvenil do partido no poder, no qual era membro do Bureau Político do Comité Central.

Foi governador da província de Luanda, de 2 de Janeiro de 2019 a 26 de Maio de 2020, altura em que foi nomeado governador do Uíge.

Malogrado foi “um modelo para o associativismo juvenil”  descrevem varias personalidades em mensagens de condolências.

O secretário nacional da JMPLA, Crispiniano dos Santos, considera Sérgio Luther Rescova um modelo para a condução da vida do associativismo juvenil angolano.

Crispiniano dos Santos, que substituiu Luther Rescova na liderança da JMPLA, disse que este era um jovem inspirador e comprometido com as causas da juventude e dos angolanos.

“Luther Rescova era um jovem amigo líder inspirador. Com a morte dele, perdemos, de facto, um jovem político com um percurso muito invejável”, disse o líder da organização juvenil do MPLA, garantindo que os seus feitos vão continuar a servir de mola impulsionadora para o trabalho da nova geração de dirigentes e quadros da JMPLA, em prol do bem-estar de Angola e dos angolanos.

O secretário provincial da UNITA em Luanda, Manuel da Costa “Nelito” Ekuikui disse ter boas lembranças de Sérgio Luther Rescova. “Com ele partilhei a praça política de Luanda. Ele defendendo o seu partido e eu o meu. Com ele, tivemos uma disputa de camaradagem, de angolanidade e soubemos, sobretudo, avaliar o respeito do mínimo ético que a política exige”, afirmou.

O jovem político da UNITA explicou que guarda para vida um grande gesto de Luther Rescova. “Quando, em Abril, deram-se os primeiros casos de Covid-19, as populações adjacente à Centralidade do Sequele atravessavam diversas dificuldades, desde a falta de alimentação à falta de água. Liguei para ele, enquanto governador de Luanda e expus as preocupações daquelas populações. Pediu-me os contactos dos coordenadores dos bairros e prometeu colocar água no dia seguinte. Foi o que aconteceu. O governador Luther Rescova mandou as cisternas de água para aquelas comunidades”, contou.

Na óptica do deputado, “Luther Rescova soube estar à altura do seu tempo”. “Dói-me porque partiu um jovem e com ele a esperança de construirmos a Angola do amanhã. Com a sua morte, foram os sonhos das grandes disputas políticas do futuro”, reconheceu.

O presidente do Conselho Nacional da Juventude, Isaías Kalunga, disse ter sido com “dor, admiração e profunda consternação” que tomou conhecimento do falecimento.

O secretário provincial da UNITA no Uíge, Félix Lucas, disse que recebeu a surpreendente notícia com profunda dor e consternação, tendo ficado minutos sem palavras. “É tão difícil num momento como este falar do governador, sentimos muita dor e consternação, não só para família, mas também para nós os políticos porque, logo no início das suas funções na província, nos mostrou uma alegria, trouxe ideias construtivas e projectos que podiam criar melhorias”, disse.

Félix Lucas considerou que Angola e o Uíge, em particular, perdem um quadro e político com acentuada capacidade intelectual, homem de bom censo e fácil relacionamento que na sua agenda tinha muito para dar no desenvolvimento do país. “Por isso, a classe política curva-se perante a sua memoria”.

O também deputando à Assembleia Nacional lembrou que, logo à chegada ao Uíge, o governador “começou a arrumar a casa”, colocando indivíduos capazes e com ideias construtivas, galvanizou uma série de constatações nos municípios e foi dando passos promissores na melhoria do saneamento básico. “Isto alegrava a classe política e a população em geral”, reconheceu.

O secretário executivo provincial da CASA-CE no Uíge, Fonseca António, afirmou que, em três meses de governação de Luther Rescova, a província deixou de ter focos de lixo, além de serem notáveis serviços de terraplanagem de várias ruas que eram intransitáveis.

Segundo Fonseca António, Luther Rescova tinha uma visão política para o progresso da região, visto que logo no princípio mostrou uma paciência para fazer o levantamento e o diagnóstico dos vários problemas da província.

Domingos Gonçalves, quadro da FNLA, caracterizou o governador Luther Rescova como um indivíduo que tinha espírito de colaboração e união, independentemente da filiação partidária. “Ouvia a juventude sem distinção e partilhou ideias com a população em geral. A sua morte veio apenas levar a província ao retrocesso”, lamentou.

A jornalista Maria Luísa Rogério, inconsolada, descreveu o momento como “difícil de compreender e aceitar”: “ninguém previa este desfecho. Em definitivo, ninguém prevê o dia de amanhã. A vida a ninguém pertence. Mas, era cedo demais para morrer. Toda a vida pela frente, vontade de mudar e alterar situações… Vai em paz”, frisou.

Gildo Matias José diz sentir-se destroçado, escrevendo que “é uma perda irreparável. Obrigado pela camaradagem! Até sempre, cda. Luther”.

Por sua vez, o presidente do Movimento dos Estudantes de Angola (MEA), Francisco Teixeira, disse que a juventude académica curva-se à sua alma, querido professor Luther Rescova. O país perde um jovem”.

PUB