João Lourenço gastou mais de 4 milhões de dólares em “Lobbis” na viagem aos Estados Unidos de América

Diferente de José Eduardo dos Santos, antigo Presidente que as vezes ignorava , a Participação do Presidente João Lourenço na 76ª sessão das Nações Unidas custou cerca de 2 biliões e 500 milhões de kwanza aos cofres do Estado, dinheiro foi engolido em Lobbis de pequenas empresas com promessas de que teria encontro com Joe Biden, mas falhou.

NCM

Na Mira do Crime

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Participação do PR na 76ª sessão das Nações Unidas custa 2 biliões e 500 milhões de kwanza aos cofres do Estado

Em Decreto Presidencial n.º 217/21 de 8 de Setembro publicado em Diário da República, o titular do poder Executivo autoriza um crédito adicional no Orçamento Geral do Estado, para o Exercício Económico 2021, para as despesas de funcionamento e preparação da 76.ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas nos termos da alínea d) do artigo 120.º e do n.º 1 do artigo 125.º ambos da Constituição da República de Angola, conjugados com os artigos 26.º e 27.º da Lei n.º 15/10, de 14 de Julho – Lei do Orçamento Geral do Estado.

Por: Carla Nayara

O Decreto autoriza a abertura do crédito adicional suplementar no montante de 2 mil milhões e 500 milhões de kwanzas, para as despesas de funcionamento e preparação da 76.ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.

 

Em Nova Iorque, a agenda do Estadista angolano começa esta quinta-feira, 23, com a sua intervenção no debate geral da 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, aberto na véspera com as comunicações dos seus homólogos do Brasil e do país anfitrião.

Presenças anteriores na ONU

Esta é a segunda presença de João Lourenço no debate geral da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, mas a sua terceira deslocação a este evento mundial desde a sua chegada ao poder, em Setembro de 2017.

A primeira intervenção, em 26 de Setembro de 2021, coincidiu com o primeiro aniversário da sua investidura como Presidente de Angola, mas voltou a estar em Nova Iorque, em Junho deste ano, já na qualidade de presidente em exercício da Conferência sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), numa reunião do Conselho de Segurança sobre a República Centro-Africana (RCA).

PUB