João Lourenço Discursa Sexta-feira sobre o estado da Nação “aguardado entre esperança e desilusão”

O Chefe de Estado João Lourenço vai dirigir uma mensagem à nação esta sexta-feira 15, na Assembleia Nacional em resposta a obrigação constitucional que determina a abertura do ano legislativo da V legislatura. Entretanto angolanos aguardam o anúncio oficial sobre o fim do custo elevado dos preços da cesta básica e da data fixa das autarquias.

DF

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Presidente da República fala pelas 11h30 na reunião plenária solene de abertura da quarta Sessão Legislativa da V Legislatura da Assembleia Nacional, que decorre esta Sexta-feira, 15, tem como ponto alto a mensagem sobre o Estado da Nação dirigida ao País pelo Presidente da República, João Lourenço

O Activista Agostinho Dos Santos diz esperar-se de um ” discurso vazio do chefe de Estado”.

” João Lourenço não trará nada de novo, vai ser  discurso como muitos já proferido por ele, vazio e de promessas de desilusão que na prática nunca serão cumpridas , vai voltar a falhar nas estatísticas,no início do seu mandato prometeu transformar Benguela em Califórnia, dar 500 mil empregos, até hoje já no fim do seu mandato nada cumpriu e o curioso foi pela primeira vez em Angola um banco público BPC, Sonangol , a despedirem trabalhadores ” rematou o Activista .

O Discurso sobre o Estado da Nação é antecedido pela comunicação da situação social e económica actual pelo colégio Presidencial da CASA-CE que transmite aos angolanos uma ” verdadeira estado da nação” esta quarta-feira 13, uma análise a ser preferida pelo seu coordenador Manuel Fernandes em Luanda.

Já na próxima segunda-feira, Isaías Samakuva, fará o ponto de situação sobre as falhas de João Lourenço, no discurso de sexta-feira 15.

Enquanto alguns políticos dizem esperar por medidas eficazes para combater a crise económica, activista afirma que serão mais falsas promessas.

Lucas Ngonda, deputado  da FNLA, espera que sejam dadas explicações sobre o que já foi feito em torno do combate à corrupção, bem como uma saída para a crise económica porque “queremos saber o que foi feito”.

Por seu lado, o activista e professor Osvaldo Caholo, tem um posição diferente.

Para ele, João Lourenço fará mais um discurso para distrair o povo angolano.

Muita expectativa relativamente ao que João Lourenço vai dizer sobre a realidade do país e a estratégia do Governo para a resolução dos principais problemas de Angola.

 

Nos termos da Constituição (artigo 118º), o Chefe de Estado dirige ao país, na abertura do Ano Parlamentar, na Assembleia Nacional (a 15 de Outubro), uma mensagem sobre o Estado da Nação e as políticas preconizadas para a resolução dos principais problemas e para o desenvolvimento do País.

PUB