Em Angola: João Lourenço será candidato único à presidência do MPLA no VIII Congresso Ordinario

João Lourenço, será o candidato unico no O VIII Congresso Ordinário do MPLA, marcado para Dezembro de 2021, que vai confirmar a liderança de João Lourenço como presidente do partido, afastando assim a possibilidade de múltiplas candidaturas, preparando assim para transferir poderes ao Adão de Almeida apenas em 2027, quando este ultimo será Candidato ao cadeirão maximo dos camaradas.

Reporter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Partido no Poder em Angola, O Movimento Popular para Libertação de Angola MPLA, realiza em Dezembro do proximo ano, 2021, u, congresso, ondde pretende legitimar ( caso não morre), João Lourenço a concorrer a sua propria sucessão ao cadeirão maximo, dos camaradas do MPLA.

“O congresso terá duas notas fundamentais, que são a consolidação do processo de transição política e a rearmação da liderança de João Lourenço como presidente do MPLA”, disse o porta-voz do partido Albino Carlos.
O Bureau Político do MPLA apreciou nesta terça-feira, 25, os documentos de referência para a realização do VIII Congresso Ordinário, previsto para Dezembro de 2021, que, entre outros, deverá garantir a renovação em 55 por cento da composição dos órgãos colegiais intermédios e nacional.
O comunicado de imprensa desta III reunião ordinária, orientada pelo presidente do partido,João Lourenço, indica que o Bureau Político deliberou para
o estabelecimento de uma cifra até 50%do género feminino na composição dos órgãos colegiais intermédios e nacional do MPLA.
A nota destaca também a atribuição de uma cifra de 35%para a representação da juventude, com idade compreendida entre os 18e os 35 anos.
O Bureau Político aprovou a indicação de Joana Tomás para candidata ao cargo de secretária-geral da Organização da Mulher Angolana (OMA), a ser
eleita no VII congresso ordinário da organização feminina do MPLA, previsto para Março de 2021.
Num comentário a esta decisão do MPLA, o analista político Esteves Simão Buanga disse ao Novo Jornal que “o MPLA deveria ter candidaturas abertas
e múltiplas à presidência do partido. Aquilo que acontece na UNITA deveria servir de exemplo para o MPLA”.
O também professor universitário referiu ainda que a ausência de mais candidatos deixa evidente a diculdade de uma democratização interna no MPLA.
Um outro analista político, Firmino Dércio Samuel, entende que com mais candidaturas à presidência do partido, o MPLA demostraria que estava a dar
passos e está preocupado com a democratização no País.

PUB