Edeltrudes pede demissão depois de escândalo financeiro revelados pela TVI

O ministro angolano e diretor do gabinete do Presidente da República, Edeltrudes Maurício Fernandes Gaspar da Costa, colocou nesta quinta-feira (24), o seu cargo a disposição, aguardando agora pela decisão do Chefe de Estado, João Manuel Gonçalves Lourenço se aceita ou não, o pedido de demissão.

Jonas Pensador

CK

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O pedido de demissão, é associado a subsequentes denuncias de alegados escândalos de corrupção e trafico de influencia que conotam a sua pessoa, enquanto servidor público. Aos seus familiares, o governante, invoca estar a ser alvo de campanha difamatória que atribui a grupos ligados ao Clã Dos Santos, destacando Maria Luísa Abrantes, antiga companheira de José Eduardo dos Santos, como sua principal adversária.

As informações sobre alegados escândalos envolvendo Edeltrudes Costas foram reanimados estas semanas com uma reportagem da TVI de Portugal em que cita uma empresa sua, EMFC – Consulting, S.A, de consultoria que fora contratada para modernização dos aeroportos cujo contrato, cedido inicialmente para a Roland Berger, terá sido assinado pelo Chefe do Executivo, em Fevereiro de 2019.

 

Antes foi também citado sobre um episódio ocorrido em 2016, que o envolve na aquisição de tapetes e cortinados ao BNA no valor de cinco milhões de dólares, usando a empresa Lwenor Lda, pertença da sua ex – esposa Aríete Faria. O negócio, segundo as mesmas informações foi concluído ao tempo do ex-Governador do BNA Valter Filipe e denunciado a JES pelo general Leopoldino Fragoso do Nascimento, somando com outras inúmeras denúncias de negociatas de transferência de divisas para o exterior do país, levando o antigo Presidente a afasta-lo do cargo de Chefe da Casa Civil.

Edeltrudes Costa é dado como estando na área dos diamantes através de um “testa de ferro” José das Neves Gonçalves Silva, administrador da SODIAM. Mas é no sector da energia e água que tem o ministro João Baptista Borges.

De acordo com fontes junto ao palácio presidencial, há muito que o Presidente da República vinha recebendo relatos desfavoráveis contra o seu principal colaborador, dentre os quais uma denuncia vazada pelo Serviço de Inteligência Externa a partir de Bruxelas respeitante a esquemas dos diamantes. Lourenço terá mostrado reservas nas informações, provocando retração.

Apesar dos relatos desfavoráveis a sua pessoa, Edeltrudes Costa é da estima de João Lourenço. Ambos partilham uma amizade de mais de 15 anos sendo que o casal presidencial é padrinho de uma filha que Edeltrudes tem com uma sobrinha da primeira dama Ana Dias Lourenço. Terá sido a relação de proximidade existente que vários sectores atribuíam a uma cerca “fraqueza” no Chefe de Estado quanto aos escândalos envolvendo o seu diretor de gabinete.

 

Depois da reportagem da TVI, surgiram anúncios de manifestações marcadas para o dia 3 de Outubro, em que os seus protagonistas exigem a demissão do diretor do gabinete presidencial alegando que “não esta em condições para continuar a exercer funções de alta responsabilidade no aparelho do Estado.”

“Em defesa do nosso património público e das instituições do Estado, estaremos concentrados no largo 1° de Maio, rumo ao palácio presidencial, no próximo dia 3 de Outubro do corrente ano, a exigir o afastamento imediato do Ministro de Estado e director do gabinete do presidente da República, Edeltrudes Costa, por estar envolvido em práticas de corrupção, violação da CRA, recebimento indevidos de contratos públicos por influência do presidente JOÃO LOURENÇO, e transferência de milhões de euros de Angola para contas pessoais em Portugal que serviram para a compra de casas de luxos e viaturas de última geração”, lê-se na mensagem distribuída nas redes socais.

PUB