“É impossível ganhar eleições em Angola com atual CNE” diz Adalberto Costa Junior

Em "conversa com jornalistas", o líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior, criticou o desequilíbrio entre forças políticas na CNE e questionou o valor dos desvios do erário público revelados pelo Presidente João Lourenço.

DR

DW

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

“É impossível ganhar eleições em Angola com a atual CNE”, afirmou o presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Adalberto Costa Júnior, esta segunda-feira (12.10). Num encontro que denominou “conversa com os jornalistas” – e em que falou de tudo um pouco, desde as eleições gerais e autárquicas até à corrupção -, o líder do maior partido da oposição sublinhou que não é possível haver eleições livres, justas e transparentes em Angola com a atual composição da Comissão Nacional de Eleições (CNE).

“É impossível qualquer partido ganhar eleições quando tem na CNE uma maioria de militantes do MPLA, a decidir sobre interesse partidário em toda sua administração”, frisou.

O maior partido da oposição em Angola entende que o Estado devia adotar a lei modelo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) que prevê uma composição igual entre as forças políticas na CNE. As eleições gerais estão previstas para 2022 e Adalberto Costa Júnior diz que o seu partido vai continuar a lutar “dentro dos limites democráticos que tem” para ter “uma alteração dos desequilíbrios que hoje se encontram na administração eleitoral”.

Sobre as autárquicas, adiadas pelo Governo angolano, o líder da oposição sugere uma data e diz que o Presidente da República, João Lourenço, é o culpado pelo adiamento: “Nós entendemos que é incontornável a necessidade do novo registo eleitoral e o novo registo não precisa mais do que três meses para ser efetuado”, afirmou. “Pode começar muito bem em março, abril e em maio terminou e nós podemos ter, normalmente eleições locais em agosto ou setembro de 2021”.

Adalberto Costa Júnior questiona também o valor em causa: “Estes números, apesar de elevadíssimos, estão muitíssimo aquém dos números reais”, afirmou. “Só a reserva estratégica do petróleo acumulada de 2011 a 2017, constituída após a aprovação da Constituição de 2010, chegou a reter valores de 93 mil milhões de dólares. Se foram só 24 que foram desviados, onde é que estão os restantes? Perguntamos nós. Porque eles não existem hoje, desapareceram”.

Adalberto Costa Júnior quer ver estas e outras questões esclarecidas na próxima quinta-feira (15.10) quando o presidente angolano falar sobre o “Estado da Nação”, na abertura de mais um ano parlamentar.

“Plano secreto” do MPLA não é surpresa

Em relação ao suposto “plano secreto” criado pelo MPLA, partido do poder, para atacar o líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior não se mostrou surpreso.

Em causa está uma notícia divulgada pelo semanário Novo Jornal, que dá conta do referido plano, que admite a movimentação de arsenal partidário, que tem como principal alvo Adalberto Costa Júnior, com recurso à invasão da esfera privada do líder da UNITA.

“Não é novidade para ninguém os presentes, os ataques permanentes ao presidente da UNITA, as abordagens de compras de militantes, por parte dos membros da inteligência”, considerou, adiantando já ter conversado sobre o assunto com o Presidente da República, em audiência.

PUB