Angolanos no Bengo desiludidos com Presidente João Lourenço

O Presidente de Angola visita o Bengo pela primeira vez desde que tomou posse em 2017. A população não esconde o descontentamento com João Lourenço.

DR

Repórter Angola &DW

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A província fica a pouco mais de 60 quilómetros da capital, Luanda, mas esta é a primeira visita do Presidente João Lourenço à região. Nas ruas, os populares mostram-se desiludidos com o chefe de Estado.

Em Caxito, a capital da província do Bengo, muitos cidadãos ainda se lembram do que João Lourenço prometeu há quase quatro anos: transformar a “fazenda de Caxito” numa “cidade” – desenvolver as infraestruturas da região e criar mais postos de trabalho.

Volvidos todos estes anos, essas promessas ainda estão por cumprir, afirma o jovem Fernando Moniz. A avaliação que faz sobre a governação do Presidente João Lourenço é bastante negativa. “As promessas que se fazem no período eleitoral não são materializadas na fase de governação”, disse Moniz à DW África.

Poucas expetativas

No Bengo, o Presidente tem encontros marcados com jovens, empresários, assim como representantes das autoridades tradicionais e religiosas. Visitará ainda empreendimentos agrícolas, uma fábrica e obras públicas. Na sexta-feira participa numa reunião do Conselho de Governação Local.

Sobre a visita, João Lourenço disse que “o país tem 18 províncias, por esta razão algumas das províncias só agora são visitadas, mesmo aquelas que estão mais próximas da capital, que é o caso do Bengo, costuma-se dizer ‘antes tarde do que nunca’, portanto, vamos cobrir a totalidade do país. Todas as províncias serão visitadas.”

Ao microfone , vários cidadãos criticaram João Lourenço por só se lembrar da região um ano antes das eleições gerais. Apesar do adágio popular que diz que “a esperança é a última a morrer”, o jovem Garcia Miranda não tem dúvidas: não é a cerca de quinze meses de terminar o mandato que o Presidente conseguirá trazer as mudanças desejadas.

“Se em três anos ou quatro não conseguiu realizar as suas promessas, então não vai ser em meses que o vai fazer. Sinceramente, não acredito que vai cumprir as suas promessas”, afirmou Miranda.

Onde está a estrada de Nambuangongo?

Uma das muitas promessas por cumprir, dizem os populares, é a construção da estrada no histórico município de Nambuangongo. Outra é a criação de 500 mil postos de trabalho a nível nacional. O Governo diz que, desde 2019, já criou mais de 45 mil empregos. Mas muitos cidadãos duvidam dos números, sobretudo por causa da crise económica e financeira no país, agravada pela pandemia.

As críticas não param diante do plano de combate à corrupção elaborado pelo Presidente, que é considerado demasiado seletivo.

Numa escala de zero a dez, o professor e sindicalista Admar Jinguma dá nota quatro ao grau de cumprimento das promessas eleitorais e deixa um recado ao Presidente: “Se quiser ser reeleito, vai ter que puxar dos seus galões para convencer o eleitorado”.

PUB