“Angola não é um só povo, uma só nação” diz Adalberto Costa Júnior

O Presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior disse essa tarde em Benguela que o país foi se construindo na diversidade e não aceita a ideia defendida pelo MPLA, um só povo uma só nação.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Líder do maior partido na oposição em Angola, a UNITA que discursou este sábado 07,  em Benguela, diz que o país foi construído na diversidade e nunca na ideia de ” um só povo, uma só nação”, tal como defendida e incutida pelo partido maioritário MPLA, no poder desde 1975.

Para Costa Júnior, Angola precisa de todos seus filhos com a diversidade cultural.

 

Adalberto C.Júnior garante transformar Angola em Califórnia.

” A califórnia chegou? Ela vai chegar, e quando a califórnia chegar, poderemos chamar Benguela desenvolvida e Angola desenvolvida, eu acredito em vós, ela vai chegar com a UNITA a Governar “, disse.

” Já transformaram Benguela em Califórnia? Como prometeram há 4 anos?”, ” Não, nós vamos transformar Angola em Califórnia e Benguela será um bom lugar para se viver” garantiu.

O acto de massa de homenagem ao líder fundador da UNITA, Jonas Savimbi celebrou -se defronte ao liceu comandante Kassange em Benguela, com término as 16h, um comício com a presença de mais de um milhão e 500 mil  militantes e simpatizantes da UNITA.

No decorrer do seu discurso, Adalberto, depois de falar sobre Savimbi, lamentou as causas fecundadas pela cerca sanitária posta pela comissão multissetorial, dirigida pelas entidades do Governo do MPLA, e centralizou a intenção, mormente da cerca sanitária de Luanda, que ontem, 6, na apresentação do novo Decreto Presidencial sobre a situação da calamidade pública no país, a Comissão Multissetorial apresentou a possibilidades de se levantada brevemente.

” A cerca sanitária causou mais mortes, a cerca sanitária criou uma fronteira, esta fronteira causou fome e aumentou os problemas sociais que são já difíceis nas famílias” descreveu.

 

O cabeça número um do partido dos maninhos, assegurou no final do seu discurso, que quando a califórnia chegar em Angola, já se poderá chamar Angola desenvolvida, Benguela desenvolvida, obviamente, todas as províncias desenvolvidas.

PUB