Angola: Filha do JES, critica JLO na nomeação da filha a um cargo na BODIVA

Tchizé Dos Santos critica nomeação da filha do Presidente da República. apesar de nao ter sido uma nomeaçao directa mas pela iniciativa da ministra das finanças Vera Esperança dos Santos Daves de Sousa de ter nomeado, uma das filhas do casal presidencial, Cristina Giovanna Dias Lourenço, para o cargo de administradora executiva da Bolsa de Valores de Angola (BODIVA).

Archiv DR

Reporter Angola & Club K

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A antiga deputada do MPLA, Tchizé dos Santos criticou o Presidente da República Joao Lourenço, que nao  deveria aceitar esta nomeação, uma vez que ele foi a pessoa que repontou em reuniões partidárias praticas semelhantes que ocorreram com os filhos do seu antecessor, José Eduardo dos Santos.

“Então, o actual Presidente da República, em reunião do próprio Comitê Central criticou o seu antecessor dizendo que nomeiam filhos sem experiência para cargos do fundo soberano, mas agora a sua filha que nem cinco anos de licenciada têm e já foi de paraquedas como diretora nacional das finanças sem concurso público, e agora é nomeada como administradora da BODIVA”, repontou a antiga deputada num aúdio posto a circular na rede social Watssap.

Segundo, Tchizé Dos Santos, quando o antigo Presidente José Eduardo dos Santos, seu pai, nomeou para entidades públicas, os seus irmãos José Filomeno dos Santos e Isabel dos Santos, “o Presidente João Lourenço não dizia nada, estava calado, mas ao tomar posse como Presidente da República, atacou o antecessor, chamando marimbondo, dizendo que põem as famílias, e agora então como é que é ?”.

Tchizé dos Santos considera que a Bolsa de Valores é uma entidade extremamente importante no país, sendo que a Sonangol, será uma das empresas a ser cotada nesta instituição, por isso,  entende que “ser administrador na bolsa de valores, é tão mais importante ser administrador da Sonangol ou do Fundo Soberano”.

 

A BODIVA é uma empresa pública, constituída sob a forma de sociedade anónima, em que o ministério das finanças é a principal acionista. Os seus administradores executivos são nomeados pela titular das finanças e tomam posse perante a Mesa da Assembleia Geral da sociedade, nos termos da Lei das Sociedades Comerciais.

 

A ex-deputada afastada do Comité Central, reponta que “o Presidente fez criticas sobre nomeação de pessoas sem experiência para grandes cargos e então agora, os acionistas indicam estes nomes que tem de ser aprovados e ratificados pelo governo, e é aprovado”.

 

A mesma classifica nomeação de Cristina Giovanna Dias Lourenço como um acto de bajulação por parte dos responsáveis do ministério das finanças, por isso é de opinião que a família presidencial não deveria aceitar esta mal que enferma as instituições do Estado em Angola. “As filhas do PR sabem que isso é bajulação porque estão aceitar estes cargos, o próprio Presidente falou mal do seu antecessor, e porque esta aceitar a sua filha a ser nomeação ?”

De lembrar que a nomeação de Cristina Lourenço foi destaque desta semana do Jornal português “Negócios”, com a chamada de capa “A nomeação da filha que fragiliza o Presidente de Angola”. Para o articulista da publicação “Esta opção vulnerabiliza João Lourenço e dá armas aos seus detratores”.

PUB