Agressores contra agentes da polícia detidos em Cabinda e na Huíla

Autores de videos com agressões violentas dos efeitivos da Polícia Nacional em Cabinda e na Huíla detidos . Desde janeiro de 2021, os internautas já foram brindados com mais de dez vídeos amadores, em que agentes da polícia nacional aparece humilhados com agressões violentas por parte de cidadãos.

Daniel Jonas Pensador

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Na sequência investigativa da agressão de que foi vítima o Agente da Polícia Nacional, no pretérito dia 20.04.2021, algures na baixa da cidade de Cabinda, por um grupo de jovens moradores das imediações dos prédios vulgarmente conhecidos por “prédios dos solteiros”, foram detidos dois dos presumíveis autores.

O facto ocorreu quando os referidos jovens sem motivo aparente, agrediram o Agente da Polícia Nacional que circulava isolado, naquele perímetro.

Após a Direcção do Comando ter tomado conhecimento através do vídeo que circula nas redes sociais, foram despoletadas diligências através do DIIP e DIP, que culminaram na detenção de dois dos oitos que estiveram implicados na acção.

Polícia na Huíla esclarece apedrejamento de efectivos por um grupo de jovens

Em função de alguns vídeos que circulam nas redes sociais, em que é possível visualizar o apedrejamento de efectivos da Polícia Nacional, em serviço, por um grupo indeterminado de cidadãos, no Largo da Sê Catedral, no município do Lubango, o Comando Provincial da Huila vem esclarecer o seguinte:

1. No âmbito da fiscalização das regras estabelecidas para a venda ambulante, nos termos do Decreto Presidencial 82/21, de 09 de Maio, que estabelece as medidas excepcionais e temporárias a vigorar durante o Estado de Calamidade, uma patrulha do Comando Municipal do Lubango interpelou uma vendedora ambulante, com o objectivo de multá-la, por violação das referidas determinações legais;

2. Durante a abordagem, e ao resistir à tentativa de apreensão dos seus meios pelo agente, a cidadã acabou por cair e embater com a cabeça no solo. Julgando que tal resultou de acto propositado de agressão do polícia, um grupo de cidadãos iniciou um violento ataque com pedras e outros objectos, contra os agentes de autoridade.

3. Da agressão, um agente foi atingido na cabeça com uma pedra. Por forma a salvaguardar a sua integridade física e a dos colegas, um dos efectivos fez disparos com a arma de fogo e atingiu a perna de um dos agressores.

O mesmo foi imediatamente socorrido, por efectivos da Polícia, para o Hospital Central. Foi-lhe retirado o projéctil e o mesmo encontra-se fora de perigo.

O agente apedrejado foi suturado com seis pontos na cabeça e já se encontra em casa, em convalescença.

4. Acto contínuo, a Polícia procedeu à detenção de seis dos agressores, que serão remetidos à Julgamento, por participação em motim. Caso considerados culpados, podem ser condenados a uma pena de prisão até dois anos.

5. Para apurar eventuais excessos dos efectivos durante a abordagem à cidadã, o Comandante da Polícia na Huila, Comissário Divaldo Martins, recebeu ontem, segunda-feira, 26, a cidadã identificada por Maurícia FelicianaTchiteculo, a qual esclareceu não ter sido vítima de qualquer agressão directa por parte dos agentes da Polícia.

6. Após esclarecer que a Polícia não está contra as vendedeiras e que o seu trabalho limita-se a fazer cumprir e respeitar as leis, e ter aconselhado a mesma a respeitar as regras estabelecidas para a venda ambulante, nomeadamente em relação aos horários e locais permitidos, o Comandante apresentou expressamente um pedido de desculpas à cidadã por eventuais excessos por parte do seu efectivo e ordenou a devolução dos seus meios apreendidos durante a abordagem.

7. Quanto aos agressores, além de levar à julgamento os seis ora detidos, o Comando da Polícia Na Huila vai continuar a diligenciar para capturar o restantes agressores e garante que será implacável contra qualquer acto contra a ordem pública em geral e contra os agentes de autoridade.

Procedimentos subsequentes estão em curso para serem presentes ao Ministério Público e diligências continuam no sentido de se deter os outros implicados.

PUB