Itália confisca suposto iate de Putin avaliado em 650 milhões de euros

A Itália confiscou o iate Scheherazade situado num estaleiro da Marina de Carrara (centro) e que, segundo a equipa de investigação do líder da oposição russo, Alexei Navalni, pertence ao Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou fonte governamental.

Reuters

Agência Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O iate era alvo de investigação por parte da polícia italiana e, na noite desta sexta-feira, o Ministério da Economia de Itália comunicou o decreto que ordenava que fosse confiscado no âmbito das sanções aos oligarcas russos por parte da União Europeia.

 

As sanções aos oligarcas russos, por parte da União Europeia, devem-se à invasão da Rússia sobre a Ucrânia e, apesar da ordem para o iate avaliado em 650 milhões de euros (ME) ser confiscado, não foi divulgado o nome do seu proprietário.

Segundo jornalistas da equipa do opositor russo, que está preso, Alexei Navalni, a embarcação, com mais de 140 metros de comprimento e com bandeira das Ilhas Caimão, pertence a Vladimir Putin, embora, formalmente, esteja em nome do oligarca Eduard Khudaynatov.

Eduard Khudaynatov é ex presidente de Rosneft e também proprietário da mansão Vila Altachiara, em Portofino (a noroeste), mas não aparece na lista de multimilionários russos sancionados.

 

O iate Sheherazade encontrava-se no estaleiro desde setembro de 2021, para uma série de trabalhos de manutenção avaliados em cerca de seis milhões de euros e, segundo a comunicação social italiana, inicialmente, deveria estar pronto para navegar em meados de junho.

Os colaboradores de Alexei Navalni destacaram que toda a tripulação do iate, exceto o capitão, tem cidadania russa.

A embarcação, que contém piscina, ginásio e dois heliportos, inclusive um hangar, é considerada a única com mais de 140 metros de cumprimento no mundo e cujo proprietário é desconhecido.

Desde que as sanções foram aprovadas, a Itália confiscou outros três iates a oligarcas russos, assim como inúmeros bens imobiliários no valor de centenas de milhões de euros.

PUB