Europeus acreditam numa “guerra fria” entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE 62%) considera que os Estados Unidos, com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova “guerra fria” com a China, mas recusam envolvimento nacional, revela um inquérito divulgado esta quarta-feira .

DR

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

De acordo com um estudo do grupo de reflexão alemão Conselho Europeu para os Negócios Estrangeiros (ECFR, na sigla inglesa) – realizado antes do anúncio do pacto AUKUS – 62% dos cidadãos da UE acreditam que está a decorrer uma nova “guerra fria” entre os EUA e a China e 59% veem emergir uma cisão comparável entre os EUA e a Rússia.

O estudo, realizado antes do anúncio do pacto AUKUS entre a Austrália, o Reino Unido e os Estados Unidos para a região do Indo-Pacífico, na passada semana, concluiu que, enquanto a maioria dos europeus vê uma nova “guerra fria” a decorrer entre os Estados Unidos e os seus rivais internacionais – a China e Rússia -, poucos acreditam que o seu país seja um participante direto nestes conflitos.

Por outro lado, nos 12 países inquiridos, incluindo Portugal, o ECFR observou que 31% pensam que a UE está numa “guerra fria” com Pequim, enquanto, em relação a Moscovo, há uma percentagem de 44% a expressar essa opinião.

Em Portugal, apenas 7% dos inquiridos consideraram que Lisboa pode estar envolvida numa “guerra fria” com Pequim ou Moscovo e 79% e 77% sublinham não haver qualquer conflito latente com, respetivamente, a China e a Rússia.

O inquérito foi realizado pelo ECFR em 12 Estados-membros da UE que no seu conjunto representam mais de 300 milhões de cidadãos e 80% do Produto Interno Bruto do bloco.

PUB