Estará Donald TRUMP sobre às costas da Covid-19 para ganhar as eleições?

A menos de vinte dias das eleições que vão determinar quem será o próximo presidente dos EUA e, com Trump a apostar tudo na sua reeleição, a contaminação pode fazer toda a diferença, tornando em Donald Trump mais beneficiários de uma ajuda lógica como aconteceu com Bolsonaro.

Gabriel José

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Donald Trump regressou esta segunda-feira à caça ao voto, depois do internamento por covid-19.

A menos de vinte dias das eleições que vão determinar quem será o próximo presidente dos EUA e, com Trump a apostar tudo na sua reeleição, a contaminação pode fazer toda a diferença, tornando em Trump mais beneficiários de uma ajuda lógica como aconteceu com Bolsonaro.

O homem que espezinhou e apresentava-se no início como forte e inabalável face à Covid-19, a imprensa americana acredita que Trump terá instruído o seu médico para não dar detalhes de fragilidade do Chefe forte e invencível perante o que chamou “uma gripezinha” e, inventou medicamento, aconselhando a população a tomar detergente.

A evidente contradição deixou logo uma série de outros médicos de sobreaviso – afinal, Trump está ainda na fase fulcral dos sete a dez dias após o início dos sintomas e rapidamente o cenário pode inverter-se. E aos 74 anos, homem e moderadamente obeso, o atual presidente dos EUA cumpre os requisitos para ser considerado paciente de risco.

O dito por não dito
O internamento de Trump levanta fortes suspeitas e contradições entre, médicos e analistas, face ao que havia sido anunciado como processo porque fou submetido e o tempo que de recuperação.

“Não quero me meter nos assuntos do presidente”, disse Talmadge E. King Jr., especialista em cuidados críticos pulmonares e reitor da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em São Francisco. Mas, o especialista sublinhou, “se o seu objetivo é que compreendamos o que se passa, há muita informação útil que ficou por dizer”.

Atrás nas sondagens, será que Trump de 74 anos vai ganhar uma varrinha mágica, como aconteceu com Bolsonaro e Boris Johnson quando anunciaram a sua doença e esfaqueamento?

Uma das disputas presidenciais mais relevantes e, renhida de todos os tempos acabou por ficar ainda mais imprevisível. Estamos a pouco menos de 20 dias das eleições norte-americanas aprazadas para 3 de novembro, a rápida recuperação e tendo em conta energia de Donald Trump, levanta fortes suspeitas.

Será que se pode acreditar nas teorias da conspiração que dizem que pode bem ser uma manobra de distração e propaganda para agitar a campanha?
Retomando esta segunda-feira a sua campanha, que quadro de sondagens teremos até a semana terminar, uma vez Biden estar em vantagem? E, não menos importante, mas um problemas nas eleições, os indecisos estimados em11%.
Falando em exclusivo ao Repórter Angola, o Analista de Assuntos Internacionais, Wakanda Bernarnado, diz que Trump tal como disse que caso venha a perder, não reconhecerá a victória e, isto faz-nos perceber que está disposta a usar todos os meios para reconquistar o mandato.

“Foi visível a preocupação e solidarieade de muitos Presidentes que rapidamente enviaram mensagens de rápidas melhoras e, para ele, igualmente tendo visto muita gente a dormirem defronte o hospital onde se encontrava internado, claramente, isto dá-lhe conforto, confiança”, comenta o Analista.
Wakanda Bernardo, a pesar deste clima de simpatia e estranheza no seu problema de saúde, Joe Biden, ainda é o candidato favorito e, tem o apoio dos afroamericanos, a maioria, tocando nos seus problemas que após a saída de Obama, estes viram os seus ideia e vidas marginalizados, remata o especialista em Relações Internacionais.
Veremos como será o quadro das sondagens durante a semana, finalizou.

PUB