Colégio Eleitoral confirma e formaliza Joe Biden Presidente dos EUA

O Colégio Eleitoral dos Estados Unidos, composto por 583 cidadãos escolhidos dos diferentes Estados, validou nesta segunda-feira, 14, a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais de 3 de Novembro, com 306 votos, contra 232 de Donald Trump.

AFP

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Próximo passo é a confirmação pelo Senado a 6 de Janeiro. Os membros do Colégio respeitaram os votos dos eleitores depositados nas urnas, como tradicionalmente. Não foi registado qualquer “eleitor infiel” que tenha votado contra a indicação dos resultados dos Estados que certificaram os números na semana passada.

Em termos nacionais, Joe Biden obteve 81,3 milhões de votos (51,3%) contra 74,2 milhões (46,8%) de Donald Trump. Com este capítulo fechado, os votos serão agora enviados ao Senado, em Washington, até 23 de Dezembro.

23 de Dezembro: data-limite para que o Senado, em Washington, receba os certificados dos votos dos delegados em cada estado. No dia 6 de Janeiro, o Congresso, numa sessão conjunta do Senado e da Câmara dos Representantes, vai confirmar os resultados e, no dia 20 de Janeiro, Joe Biden será empossado como 46o, Presidente dos Estados Unidos.

Entretanto, O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, felicitou hoje Joe Biden pela eleição à presidência dos Estados Unidos demonstrando vontade em colaborar com o futuro chefe de Estado, apesar das más relações entre os dois países.

Pela minha parte estou disposto a uma colaboração e a contactos consigo”, escreveu Putin num telegrama enviado a Joe Biden, de acordo com um comunicado do Kremlin. O Presidente russo foi um dos poucos dirigentes a esperar pelo voto do colégio eleitoral norte-americano que indicou na segunda-feira a vitória de Biden nas eleições.
Putin justificou a decisão sobre as eleições presidenciais referindo-se à incerteza sobre os resultados da votação devido à recusa de Donald Trump em reconhecer a derrota. “Vladimir Putin desejou sucesso ao Presidente eleito e exprimiu a convicção de que a Rússia e os Estados Unidos (…) podem, apesar dos desacordos, resolver os numerosos problemas e desafios” mundiais, acrescenta o Kremlin no mesmo comunicado.
Joe Biden prometeu firmeza em relação à Rússia acusando, nomeadamente, Moscovo de ingerência no sistema eleitoral norte-americano nas eleições de 2016 que deram a vitória a Donald Trump.

PUB