Grécia anuncia construção de uma nova cerca na fronteira com a Turquia

A Grécia vai reforçar a vigilância da fronteira terrestre com a Turquia e construir uma nova cerca para evitar a passagem de migrantes, anunciou esta segunda feira 31, o Governo, num momento em que as relações bilaterais pioram a cada dia.

com Agencias AFP e Reuters

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O ministro grego de Protecção ao Cidadão, Mijalis Jrisojoidis, apresentou hoje os planos para a construção da cerca, que deve estar pronta num período máximo de oito meses.

A nova cerca, com cerca de 30 quilómetros de cumprimento e cinco metros de altura, vai ser instalada na parte sul da fronteira terrestre com a Turquia.

Na parte superior, vai estar equipada com placas de metal de 1,25 metros de altura e coroada com arame farpado. Com esses reforços, o Governo do conservador Kyriakos Mitsotakis pretende proteger a fronteira contra qualquer tentativa de travessia ilegal.

Além disso, a cerca existente de 12,5 quilómetros, construída em 2012 e localizada na parte norte da fronteira terrestre entre os dois países, vai ser reparada. O plano prevê ainda a construção de várias torres de observação com o objectivo de monitorizar os movimentos de migrantes na Turquia.

A maior parte da fronteira terrestre entre os dois países é delimitada pelo rio Evros (também designado Marista), cuja travessia é muito perigosa, principalmente no inverno. Com a construção da nova cerca e o arranjo da antiga, a Grécia espera tornar muito difícil para os migrantes cruzarem as fronteiras com a Turquia.

No final de Fevereiro, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou a abertura de fronteiras do seu país com a União Europeia e convidou dezenas de milhares de refugiados e migrantes e irem para a Europa através da fronteira greco-turca.

Durante cerca de 20 dias, e no meio de uma guerra verbal entre os dois países, dezenas de milhares de migrantes entraram em confrontos com a polícia e o Exército grego, que os repeliram com uso de gás lacrimogéneo e armas de fogo.

De acordo com Jrisojoidis, entre 28 de Fevereiro e 28 de Março, 59 mil pessoas foram impedidas de entrar ilegalmente na Grécia. Os confrontos resultaram na morte de dois migrantes, enquanto centenas ficaram feridos.

PUB