Biden e Macron acordam reunir na Europa para resolver tensões diplomáticas

Os dois líderes vão encontrar-se na Europa por forma a reduzir a tensão diplomática provocada pela situação dos submarinos australianos. "A situação pode beneficiar com consultas abertas entre aliados."

DR

Lusa

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o seu homólogo francês, Emmanuel Macron, concordaram esta quarta-feira 22, em reunir em outubro e iniciar um processo de consulta para reduzir a tensão diplomática provocada pelo caso dos submarinos australianos.

 

Num comunicado conjunto após uma conversa telefónica, os dois líderes anunciaram que se encontrarão “na Europa, no final de outubro” e que o embaixador francês em Washington, convocado para consultas na semana passada, regressará ao cargo na próxima semana.

“Os dois líderes concordaram que a situação pode beneficiar com consultas abertas entre aliados”, acrescentou o comunicado, referindo-se aos protestos de Paris sobre a falta de aviso prévio sobre o pacto de defesa entre os Estados Unidos, Austrália e Reino Unido.

 

“O Presidente Biden expressou o seu compromisso duradouro com esta matéria”, acrescenta o comunicado conjunto, referindo que o líder norte-americano considerou “necessário que a defesa europeia seja mais forte e eficiente”, para contribuir para a segurança transatlântica e cumprir o “papel da NATO”.

 

O documento conjunto diz ainda que os Estados Unidos “reafirmam que o comprometimento da França e da União Europeia na região do Indo-Pacífico é de importância estratégica”, revelando que os dois líderes estão alinhados sobre a postura dos aliados nesta zona do globo, sob forte influência da China.

 

Biden reconhece assim os motivos de descontentamento de Macron, pela falta de diálogo com os aliados sobre o pacto de defesa que envolve EUA, Reino Unido e Austrália, com a venda a Camberra de tecnologia para a construção de submarinos de propulsão nuclear.

 

Este acordo levou a Austrália a “rasgar” um contrato com Paris, no valor de 56 mil milhões de euros, para a compra de submarinos convencionais, o que irritou o Governo francês.

 

O telefonema desta tarde, a pedido de Biden, foi o primeiro contacto entre os dois líderes desde o início da crise diplomática.

 

A indicada reunião na Europa, em outubro, cujo local e data ainda não foram definidos precisamente, deve realizar-se na altura da cimeira do G20 em Roma, que terá como objetivo “chegar a entendimentos partilhados” para a melhor de relacionamento entre os dois países.

PUB