TAAG cobra 2 milhões de Kwanzas de Luanda para Lisboa

Viajar entre Luanda e Lisboa está cada vez mais caro com preços a ultrapassarem a barreira dos milhões de Kz em classe económica. desvalorização da moeda é apontado como culpado.

DR

c/Expansão

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Entre as transportadoras aéreas que ligam as duas capitais, a TAAG é a que tem a tarifa mais cara, em cinco companhias que operam a partir do 4 de Fevereiro, noticiou na semana passada o jornal Expansão.

O Repórter Angola, confirmou está sexta-feira 17, junto de outras fontes no Aeroporto internacional de Luanda atreves dos seus Call center .

 

Para uma viagem na primeira semana de Setembro pela companhia de bandeira TAAG, o passageiro pagou mais de 2 milhões Kz para uma ligação directa Luanda – Lisboa, segundo o semanário.

Valor próximo do cobrado pela TAP para o mesmo período. A “culpa” é da Covid-19, que tem limitado os voos entre os países, e também da desvalorização cambial, segundo profissionais do sector.

 

Se para a primeira semana de Setembro a diferença de preços entre as cinco companhias não é acentuada, o cenário muda se a comparação dos preços é feita na quarta semana do mês.

 

Aqui um bilhete da TAAG chega a custar quase três vezes mais do que algumas companhias que saem de Luanda e “oferecem” Lisboa como destino.

 

A companhia aérea nacional, que registou em 2020 um prejuízo de 372 milhões USD, tem como tarifa mais barata 1.495.222 Kz para uma estadia, no mínimo, de 10 dias.

 

Fonte da TAAG explicou ao Expansão que os preços estão condicionados pela desvalorização da moeda nacional, já que os preços na aviação são definidos em dólares.

 

“Cada companhia tem a sua base tarifária, mas nós, infelizmente, temos ainda a situação da desvalorização do kwanza que tem feito disparar o valor do bilhete de passagem”.

 

“Se convertermos estes preços em dólares, vamos ver que não estão muito distantes dos praticados anteriormente” , disse.

 

“A outra questão é a pandemia, que está a condicionar as companhias. O número de voos reduziu, mas a procura vai aumentando e isso, de certa forma, também contribui para os preços que estão a ser praticados” , conclui a nossa fonte.

PUB