Refinaria de Cabinda testada com sucesso

Preste para o arranque da primeira fase até finais de Junho de 2022 , a refinaria de Cabinda já tem luz verde, depois dos primeiros testes dos equipamentos realizados esta segunda-feira 02. Na ocasião, Atanas Bostandjev, CEO da Gemcorp, mostrou-se satisfeito com os resultados alcançados e, sobretudo, com o fim de uma etapa que é determinante para que a Refinaria de Cabinda possa entrar em funcionamento durante este ano. “A Gemcorp tem apostado em contribuir para o desenvolvimento de Angola e da sua economia, sendo a Refinaria de Cabinda" garantiu.

DR

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Segundo uma nota de imprensa, enviada ao Repórter Angola, O equipamento da Refinaria de Cabinda foi testado, esta segunda-feira 2 de Maio, em Houston, nas instalações da VFuels, empresa responsável pela sua construção. O resultado do Teste de Aceitação na Fábrica foi positivo, seguindo-se, agora, a fase do envio para Angola e, posteriormente, a sua montagem em Cabinda.

O Teste de Aceitação na Fábrica verifica e certifica que o equipamento produzido e embalado cumpre com a funcionalidade e os objectivos definidos, antes da entrega no destino, sendo um dos momentos decisivos da construção de todas as refinarias semelhantes à de Cabinda. Entre outras inovações deste equipamento, destaque para a construção de uma unidade modular de destilação de petróleo bruto de 30.000 de uma só linha construída até à data a nível mundial, e que é parte integrante da Refinaria de Cabinda.

Concluídos os testes, o Ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino de Azevedo, sublinhou que este é um momento fundamental para a implementação global da estratégia definida pelo Governo que visa a independência do país ao nível da produção própria de produtos derivados do petróleo. “Este é, de facto, um passo crucial para que a refinaria de Cabinda possa entrar em produção e, ao mesmo tempo, para a prossecução dos objectivos que definimos no início das nossas funções”.

PCA da Sonangol, Gaspar Martins, por sua vez, referiu que este é um marco muito importante para a estratégia de refinação do país, “que visa – como enfatizou o nosso Ministro da Tutela – a independência do país face à importação de produtos refinados. Vamos usar os recursos naturais de que dispomos para produzirmos produtos refinados em solo angolano, com cidadãos angolanos”.

Atanas Bostandjev, CEO da Gemcorp, mostrou-se satisfeito com os resultados alcançados e, sobretudo, com o fim de uma etapa que é determinante para que a Refinaria de Cabinda possa entrar em funcionamento durante este ano. “A Gemcorp tem apostado em contribuir para o desenvolvimento de Angola e da sua economia, sendo a Refinaria de Cabinda um dos nossos projectos mais relevantes, uma vez que vai altear o paradigma do sector de oil&gas no país. Sabemos, por isso, que este é o caminho certo e que a Gemcorp se manterá comprometida com a sua conclusão em tempo oportuno”, disse.

Recorde-se que a Refinaria de Cabinda, projecto avaliado em mil milhões de dólares, terá uma capacidade instalada para processamento de 60.000 barris por dia, após concluídas as suas três fases de implementação que a transformarão numa refinaria de conversão total apta para produzir gasolina, gasóleo, GPL, óleo combustível, Jet A1 e querosene. Ao longo deste processo, estima-se que sejam criados 1300 postos de trabalho, entre a construção, montagem e operacionalização da refinaria, a maior parte dos quais a serem alocados à população da província.

Este projecto representa um passo fundamental para o desenvolvimento económico de Angola, uma vez que o aumento da capacidade interna de processamento de petróleo bruto reduz a dependência do país relativamente às importações e contribui para uma considerável economia de divisas. Acresce que se trata de um exemplo relevante de cooperação internacional para o desenvolvimento e de especialização tecnológica entre os Estados Unidos e Angola.

PUB