Nova família do Kwanza começa circular a 30 de Julho

As novas notas de kwanza “série 2020” entram em circulação a partir de 30 deste mês, depois do lançamento ontem, em Luanda, pelo go-vernador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano.

DR

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

As novas notas têm valores faciais de 200, 500, 1.000, 2.000 e 5.000 kwanzas e vão continuar a coabitar com a actual “série de 2012”, até à sua substituição completa no mercado. Segundo José de Lima Massano, a introdução de novas notas será feita de forma faseada, a começar pela de 200 kwanzas no dia 30 de Julho, seguida pelas de 500 a 17 de Setembro, a de 1.000 em Outubro, a de 2.000 a 21 de Novembro e a de 5.000 em Janeiro de 2021.

José de Lima Massano disse que, com a introdução de novas notas do kwanza no circuito monetário e financeiro não haverá motivos para pânico no mercado de bens e de serviços por parte da população, por se tratar de um processo que se vai estender por mais algum tempo. “As notas da “série de 2012” continuam a ser válidas e aceites como meio de pagamento, sem restrições, não sendo necessário a troca ou substituição pela nova série.

As notas das duas séries circularão em simultâneo e após algum tempo passarão a circular apenas a nova série”, justificou o governador.  O vice-governador, Manuel Tiago Dias, disse que apesar de a nova família do kwanza incluir a nota de 5.000, não entrará em circulação este ano. “A nossa previsão é que a nota de 5.000 mil kwanzas entre em circulação a partir de Janeiro de 2021”, justificou.

Tiago Dias disse que não obstante a lei autorizar o BNA a emitir e a pôr em circulação também a denominação de 10.000 kwanzas, por enquanto, entendem não haver razões que justifiquem a circulação já. Sobre os custos de produção, Manuel Tiago Dias disse ser este um processo que envolveu empresas de renome internacional (russas, alemãs e americanas), que participaram dum concurso público promovido pelo BNA.

“Foi um processo transparente e o que podemos dizer é que os custos de produção rondam aos 30 milhões de dólares norte-americanos”, realçou.
Para o vice-governador, a questão da desvalorização ou depreciação da moeda não se coloca com a entrada em circulação da nova série. “Como já referimos, periodicamente introduzimos notas novas da actual família em circulação.

O que vai acontecer é que as notas da “série de 2012” sempre que forem depositadas nos bancos comerciais, já não vão sair e os bancos vão fornecer aos seus clientes as notas da nova família do kwanza”, esclareceu.

Dinheiro mais seguro

Por seu turno, o director do Departamento de Meios Circulantes, Sebastião Banganga, disse que as notas de 200 a 2.000 kwanzas são feitas com material de polímero (plástico), contendo elementos de segurança inovadores, que previnem a contrafacção, com níveis de menor desgaste e deterioração e, por isso, têm maior durabilidade. Tal, permite a verificação da sua genuinidade através do método “tocar, observar e inclinar”.

A nova nota de 5.000 kwanzas é feita em material de al-godão (papel). Possui, igualmente, elementos de elevada segurança como um fio de segurança, marca de água com a representação da figura do pensador e um selo na face com projecção para o reverso. Com a adopção do novo material, Sebastião Banganga disse que se reduzem quatro vezes mais os custos associados com a reposição de notas degradadas e cumpre-se com o desígnio de fornecer ao público notas com a qualidade necessária.

O responsável disse ainda que, brevemente, o BNA vai fornecer uma aplicação mó-vel “app kwanza 2020”, para, a partir de um smartphone, identificar-se outros elementos genuínos como a entoação do hino nacional, com a fixação da câmara a uma das notas.

PUB