Álvaro Sobrinho é a pessoa certa para liderar o Banco Economico, Dizem Analistas

O Empresário angolano Álvaro Sobrinho,  é apontado por analistas económicos, como a pessoa certa e ideal para voltar na liderança do Banco Economico ou do maior Banco Publico BPC , com fim de resolver as dificuldades que enfrentam. A Banca angolana enfrenta uma crise e está desnorteada, Sobrinho com vasta experiencia no ramo financeiro é tido como salvador.

Jonas Pensador

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Empresário angolano, Álvaro Sobrinho,  que já emitiu no último no ano passado, uma nota de repúdio sobre as “calúnias” lançadas sobre si, é apontado por analistas económicos, como a pessoa certa e ideal para voltar  a liderança do Banco Publico BPC ou Banco Economico, com fim de resolver as dificuldades que enfrentam.

“neste momento, acho que Álvaro Sobrinho é a pessoa certa para voltar ao mercado financeiros dos bancos, pela sua larga experiência que carrega neste ramo, ele conhece bem casa e acredito que vai arrumar ” aponta  Domingos Mendonça, professor da Universidade Católica de Angola

Um outro professor universitário abordado a comentar sobre a crise na Banca angola, é Dr. João Katepa mestre em Economia e Gestão Financeira, pela  universidade de Londres, para este “o problema que consiste aqui é mais Politico, do que as próprias competências”, por isto os acionistas que são políticos querem colocar pessoas que não entendem bem da matéria nos lugares errados” conta e explica que ” na nível não vejo um bom gestor bancário que possa estar a altura do Álvaro Sobrinho, e este poderia ser lhe dado uma oportunidade e nomeação para vir gerir mesmo o próprio maior Banco Publico BPC que está falido, porque Eu pessoalmente noto e vejo que terá coragem de restruturar este ou aquele Banco, pelos investimentos que tem em outros sectores e estas nunca faliram, como exemplo do Sporting, a  a Espírito Santo Financial Group, a qual, por sua vez, controla o Banque Privée Espirito Santo (BPES) na Suiça” explica.

O analista Agostinho Dos Santos, entende que a destituição do Sobrinho frente ao BES foi politico e provocado pelo Grupo GENI dos Generais Dino e Kopelipa, “a entidade privada que muito beneficiou do BESA, quer de empréstimos, quer na tomada surreal do poder do Banco depois da intervenção ordenada pelo Banco Central, foi o grupo GENI pertencente ao general Leopoldino (o Dino) do Nascimento” avança o analista.

Agostinho vai mais longe, e faz esclarecer que  “Álvaro Sobrinho nunca foi político ou funcionário público, por isso, não pode ser acusado de qualquer acto de desvio ou mau uso de fundos do Estado angolano, a que nunca teve acesso. Não existe um único montante que Álvaro Sobrinho tenha tirado do Tesouro nacional, uma vez que jamais foi agente do Estado.”

O Presidente da República João Lourenço inaugurou no passado dia 18 de Maio de 2019, o Torneio Internacional de Golfe no Campo dos Mangais, Barra do Kwanza. Este é um momento de viragem na promoção do Turismo em Angola, com emprego directo dos angolanos.

Investigações do Repórter Angola, revelam ,que  depois da carreira no Ex- BES em 2013,  Sobrinho se concentrou em investimentos que cobrem indústrias como a das telecomunicações e média, com investimentos na YooMee Africa e no Grupo Newshold., esta Empresa que edita o jornal “Sol” e detém mais de 3% da Imprensa detinha uma posição acima de 15% na Cofina, pós A Newshold, empresa angolana liderada por Álvaro Sobrinho, reduziu a sua posição na Cofina (empresa que controla o Negócios) para menos de 15%, depois de várias operações de vende de acções efectuadas desde Agosto.
Os seus investimentos cobrem também uma séria de parcerias na área das publicações, indústria e turismo. Em 2013, Sobrinho tornou-se no maior acionista individual da Sporting Clube de Portugal – Futebol SAD, através da conversão de créditos da empresa Holdimo – onde Sobrinho é investidor – em 29.8% do capital da Sporting CP – Futebol SAD.

PUB