Sagrada e 1º de Agosto renunciam competição no torneio “45º aniversário da Independência Nacional”,

As equipas do 1º de Agosto e do Sagrada Esperança confirmaram, ontem, a ausência no torneio “45º aniversário da Independência Nacional”, a ser organizado pelo Recreativo do Libolo, entre os dias 18 e 22 do corrente, no Estádio de Calulo, prova que incluiu igualmente a formação do FC Bravos do Maquis.

DR

JA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O director-geral do 1º de Agosto, Fernando Barbosa “Barbosinha”, disse que o mau estado das estradas está na base da ausência dos militares na prova, uma vez que a transportadora Macon não efectua serviços para aquela vila da província do Cuanza-Sul, citado pelo JA

“A via está muito mal e não conseguimos transporte para viajar para aquela região. Normalmente fizemos as nossas viagens com a Macon e disseram-nos que as vias não estão em condições, daí que não vamos viajar para aquela zona. Assim sendo, fica extremamente difícil, com todas as situações que envolvem nesta altura, com a pandemia, e outras, deslocarmo-nos até Calulo. Era um torneio que gostaríamos de participar, mas, infelizmente, não será possível”, disse.
Por sua vez, o técnico-adjunto do Sagrada Esperança, Francisco Moniz “Franck”, confirmou igualmente a ausência da equipa na prova, por ter conseguido jogos amistosos na capital do país.

“Não vamos participar do torneio de Calulo, porque temos já alguns jogos de preparação marcados em Luanda. Jogámos na quinta-feira passada, com o 1º de Agosto, com quem perdemos por 3-1, e faremos um outro desafio com o FC Bravos do Maquis. Temos mais um jogo confirmado contra o 1º de Agosto, apenas falta marcar a data. Já não vamos sair de Luanda, onde vamos disputar o jogo das Afrotaças”, disse.

Até ao fecho desta edição, o JA não conseguiu contactar alguém ligado ao  FC Bravos do Maquis.
O vice-presidente para o futebol do Recreativo do Li-bolo, Augusto Correia, reagiu dizendo que as duas equipas desistiram muito próximo da competição e que em breve a organização do torneio vai se pronunciar sobre o assunto.

“Infelizmente fomos notificados das desistências quando faltam poucos dias para o início do torneio, e assim fica difícil encontrarmos outras equipas para substituí-las. Porém, em breve, a organização do torneio vai fazer um pronunciamento”, concluiu.

Primeira fase da campanha
Sagrada prevê registar
mais de dois mil sócios

A direcção do Grupo Desportivo Sagrada Esperança, cuja equipa principal de futebol vai ser uma das representantes de Angola na edição 2020/2021 da Taça da Confederação, prevê registar mais de dois mil sócios na primeira fase da campanha de admissão, lançada sábado, no Dundo, a primeira em 44 anos de existência do clube mais representativo da Lunda-Norte.

O secretário-geral do clube, Lourenço Cariata, explicou que a campanha de admissão de sócios faz parte do plano de acção aprovado em Janeiro desse ano, pela Assembleia-Geral, para o ciclo olímpico 2020/2024, e enquadra-se igualmente nos festejos dos 44 anos da fundação do clube, a comemorar-se a 22 de Dezembro próximo.

A campanha, segundo Lourenço Cariata, tem como objectivo fortalecer, resgatar a imagem e diversificar as fontes de receitas da agremiação diamantífera para a sustentação dos projectos.

Sob o lema: “Com os pés assentes no presente e olhos no futuro”, a campanha denominada “Seja família Sagrada Esperança” registou a inscrição de 150 pessoas no dia de abertura. Os mesmos receberam os cartões de sócios efectivos (admitidos sob condição de pagamento regular de uma quota).

As restantes categorias de sócios, segundo os estatutos do clube, são as de honorários, contribuintes e praticantes.
O GD Sagrada Esperança foi fundado a 22 de Dezembro de 1976, na cidade do Dundo, por um grupo de trabalhadores da ex-Companhia de Diamantes de Angola (Diamang). A Endiama, empresa pública, é a patrocinadora oficial do clube.
Além do futebol, o Sagrada movimenta as modalidades de ténis de campo e atletismo.

PUB