Caso Meschiack-Mazembe: jogador e seu clube suíço condenados a pagar US$ 617.365 a TP Mazembe

A FIFA ordenou que a jogadora Meschack Elia Lina pague a quantia de US$ 617.365 ao clube TP Mazembe em Lubumbashi, como compensação por quebra de contrato mais juros anuais a uma taxa de 5% de 29 de julho de 2020 até a data do pagamento integral.

DR

Okapi

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

A Associação Internacional de Futebol (FIFA) ordenou que a jogadora Meschack Elia Lina pague a quantia de US$ 617.365 ao clube TP Mazembe em Lubumbashi, como compensação por quebra de contrato mais juros anuais a uma taxa de 5% de 29 de julho de 2020 até a data do pagamento integral.

Esta decisão da Câmara de Resolução de Litígios da FIFA, relativa a uma disputa contratual relativa ao futebolista Meschack Elia, foi notificada ao clube congolês em 12 de outubro de 2020.

O caso colocou o TP Mazembe da RD Congo, representado por Gregory Ernes e Gauthier Bouchat, contra Meschack Elia Lina  e BSC Young Boys da Suíça, representado por Michel Zen Ruffinen.

De acordo com a FIFA, se o valor devido e os juros mencionados acima não forem pagos no prazo de 45 dias a partir da data da notificação, as seguintes consequências serão:

– Meschiack Elia será suspenso (das partidas oficiais) até que as quantias sejam pagas. A duração máxima desta restrição – incluindo possíveis sanções esportivas – é de seis meses. A proibição será suspensa antes de seu vencimento assim que os valores devidos tiverem sido pagos.
– Os Jovens serão proibidos de recrutar novos jogadores – nacional ou nacionalmente ou internacionalmente – até que as quantias vencidas sejam pagas. A duração total máxima desta proibição de registro – incluindo possíveis sanções esportivas – é de três períodos de registro completos e consecutivos. A proibição será suspensa antes de seu vencimento assim que os valores devidos tiverem sido pagos

– Se a soma e os juros acima mencionados ainda não forem pagos até o final da proibição descrita no ponto anterior, o caso será submetido, mediante solicitação, ao Comitê Disciplinar da FIFA para apreciação e decisão.

PUB