RDC liberta condenados pelo assassinato de Laurent-Désiré Kabila

Eddy Kapende e mais de 20 condenados à morte pelo assassínio do ex-Presidente Laurent-Désiré Kabila, foi postos em Liberdade quase 20 anos depois, perdoado por Félix Tshisekedi, deixaram a prisão de Makala, em Kinshasa. Governo frisa que este perdão "não é um cheque em branco".

DR

AFP

AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Os 22 homens, que saíram da prisão sem os uniformes, foram saudados pelas suas famílias e amigos, noticia a agência de notícias AFP.

Entre eles estava o coronel Eddy Kapend, o ajudante de campo do ex-Presidente assassinado, que deixou a prisão num jipe sob escolta.

Uma 23.ª pessoa, um antigo chefe da Agência Nacional de Informações (ANR), Georges Leta, também saiu da prisão, mas não compareceu à cerimónia de libertação por motivo de doença.

Laurent-Désiré Kabila foi assassinado em 16 de janeiro de 2001 no seu gabinete oficial por um dos seus guarda-costas, morto imediatamente após ter disparado sobre o Presidente.

“O Presidente concedeu este perdão por razões puramente humanitárias (…). Este perdão não é um cheque em branco”, disse Bernard Takaishe, vice-ministro da Justiça, dirigindo-se aos 22 beneficiários presentes.

E acrescentou: “Que não se encontrem amanhã em situações que os privaram da liberdade”, acrescentou ele.

“A graça não apagará os crimes pelos quais foram condenados”. Tal medida é “simplesmente porque queremos colocar o país de novo no bom caminho, para trazer uma certa paz ao povo congolês”, acrescentou.

No final de dezembro, o Presidente Félix Tshisekedi concedeu um perdão presidencial aos assassinos do antigo Presidente Laurent-Désiré Kabila, pai do seu antecessor Joseph Kabila.

A medida seguiu-se à decisão do chefe de Estado de 06 de dezembro de pôr fim à coligação que formou com o seu antecessor Joseph Kabila, que ainda detém uma maioria no Parlamento.

 

PUB