Ramaphosa afirma que SADC está a preparar intervenção em Cabo Delgado

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, disse esta Segunda Feira, que a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral SADC, está a preparar planos para intervir no conflito em Cabo Delgado, norte de Moçambique, abalado pela invasão de grupos armados.

com Agencias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Estadista garantiu que, “A nível da SADC (Comunidade de Desenvolvimento da África Austral), sim, a questão [da insegurança no norte de Moçambique] está a ser discutida extensivamente com base em ‘briefings’ do próprio Governo de Moçambique”, declarou Cyril Ramaphosa.

“O Presidente Nyusi é agora o presidente da nossa região SADC e estamos envolvidos através de várias outras estruturas da SADC para estarmos bem informados e ver até que ponto podem ser montados planos para lidar com o desafio de segurança que enfrentamos lá em Cabo Delgado”, adiantou.

O chefe de Estado sul-africano, que não especificou o tipo de intervenção da SADC, falava hoje aos jornalistas no final de uma conferência de imprensa virtual sobre a mais recente vaga de mega corrupção no seio do partido no poder, o Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), do qual também é presidente, relacionada com o combate à pandemia da covid-19 que já infectou mais de 650 mil pessoas e causou 14.028 mortos no país desde Março.

Ramaphosa convocou este fim-de-semana uma reunião especial de dois dias da direcção do ANC, para tentar evitar um desafio à sua liderança por parte de facções rivais aliadas ao antigo chefe de Estado, Jacob Zuma, que se opõem às medidas de combate à corrupção e implementação de reformas económicas anunciadas desde que assumiu o poder em 2018.

A polícia sul-africana está a investigar o alegado envolvimento de sul-africanos no conflito armado no norte de Moçambique. “A investigação sobre o envolvimento de sul-africanos na insurgência envolve a Interpol e as autoridades moçambicanas”, disse ao portal sul-africano TimesLive o porta-voz da unidade policial de investigação HAWKS (na sigla em inglês)

Segundo Lloyd Ramovha, “a investigação tem vários ramos, os detectives estão a examinar os fluxos financeiros transfronteiriços, a origem desses fundos e o envolvimento do crime organizado na captação de recursos”.

“Cerca de 100 sul-africanos podem estar a combater ao lado dos terroristas e a actividade do crime dentro de nossas fronteiras [África do Sul] está a ser usada para financiar esses esforços (da insurgência em Cabo Delgado)”, escreveu o jornal, citando fonte próxima à investigação policial sul-africana.

PUB