Museu da RDC abre ao público na quarta-feira para homenagear Sindika Dokolo – Cerimónias fúnebres estão marcadas para amanhã em Londres, Kinshasa e Luanda

As cerimónias fúnebres do empresário Sindika Dokolo, que morreu durante um trágico acidente de mergulho, aos 48 anos de idade, no Dubai, vão realizar-se, amanhã, terça-feira, 17, simultaneamente, em três locais ligados ao marido de Isabel dos Santos: Londres, Kinshasa e Luanda

DR

Repórter Angola

Repórter Angola

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Museu Nacional da República Democrática do Congo (RDC), em Kinshasa, lugar de nascimento de Sindika Dokolo, informou que vai estar aberto ao público na quarta-feira, 18, para prestar homenagem e condolências ao coleccionador de arte, que o museu retratou, na sua página de facebook,
como “um grande homem de cultura e digno lho da nação congolesa que se empenhou na nobre batalha da restituição dos bens culturais africanos a África”.
A missa fúnebre de Sindika Dokolo realiza-se na Catedral de Westminster, em Londres, Inglaterra, às 10h30 locais. No mesmo dia, às 09:00, haverá lugar para uma cerimónia na RDC, no Museu Nacional do Congo, em Kinshasa, de onde era originário Sindika Dokolo.

Em simultâneo será realizada,
em Luanda, uma missa, mas Isabel dos Santos, que partilhou as informações nas redes sociais no passado dia 3, não avançou o local.
Sindika Dokolo nasceu em Kinshasa, no antigo Zaire, actual República Democrática do Congo. Era dono de uma das principais e mais importantes colecções de arte contemporânea africana, tendo criado, em Luanda, uma fundação com o seu nome. O coleccionador de arte casou em 2002 com a empresária Isabel dos Santos, lha mais velha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.
Filho de pai congolês, Augustin Dokolo Sanu, banqueiro falecido em 2001, e mãe dinamarquesa, Hanne Taabbel, passou a infância na Europa, entre a Bélgica e França. Licenciou-se em Economia, Comércio e Línguas Estrangeiras na Universidade Pierre e Marie Curie, em Paris.
Em Outubro do ano passado, a Fundação Sindika Dokolo comprou e repatriou para Angola 20 peças de arte que tinham sido levadas de museus angolanos para colecções estrangeiras e preparou-se para entregar ao museu de Kinshasa a primeira peça congolesa recuperada, segundo uma entrevista concedida na altura à agência Lusa.

PUB