Gâmbia: Supremo rejeita recurso da oposição e valida reeleição de Adama Barrow

Supremo Tribunal da Gâmbia rejeitou ontem (28.12) o recurso de irregularidades nas presidenciais de 04 de dezembro, e validou a reeleição de Adama Barrow.

DR

Agência Lusa

Agência Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

O Supremo Tribunal da Gâmbia rejeitou nesta terça-feira (28.12) o recurso apresentado pelo candidato presidencial Ousainou Darboe – que alegou irregularidades nas presidenciais de 4 de dezembro – e validou a reeleição de Adama Barrow, que concorreu a um segundo mandato.

 

Adama Barrow, cuja primeira eleição há cinco anos pôs fim a mais de 20 anos de ditadura, venceu as eleições presidenciais de 4 de dezembro com 53% dos votos, contra os 27% obtidos por Ousainou Darboe, segundo a Comissão Eleitoral.

Intenção de contestar

Antes mesmo do anúncio dos resultados, Darboe já havia manifestado com outros dois candidatos a intenção de os contestar, para o que alegou irregularidades.

 

A sua formação política, Partido Democrático Unido (UDP, na sigla em inglês), recorreu a 6 de dezembro ao Supremo Tribunal,

 

Julgamento

No recurso, o UDP acusou Barrow e os seus apoiantes da distribuição de dinheiro ou presentes em várias regiões.

 

A oposição afirma que a formação política de Barrow, Partido Popular Nacional (NPP), se infiltrou na Comissão Eleitoral e denunciou a participação de cidadãos não gambianos nas eleições, bem como de várias irregularidades nas operações de votação e contagem.

“UDP não respeitou lei eleitoral”

O Supremo Tribunal decidiu “que o UDP não respeitou o disposto no artigo 11.º da Lei Eleitoral que exige que o recurso seja acompanhado de uma moção de segurança”, declarou o seu Presidente, Hassan B. Darboe Jallow.

 

“Não perdemos nada porque o recurso não foi rejeitado com base no mérito, mas em um simples detalhe técnico. Devemos estar orgulhosos de nós mesmos pelo que fizemos e continuaremos a fazer pelo país”, disse Darboe, na página do seu partido na Internet, reagindo à decisão do Supremo Tribunal.

 

A decisão do Supremo Tribunal é final.

 

A eleição presidencial na Gâmbia é disputada numa única volta.

PUB