Eleições Presidenciais na Guiné-Conacri marcadas por “grande civismo e participação”

As eleições presidenciais na Guiné-Conacri, este domingo, decorreram num ambiente de "grande civismo" e com elevada "participação", disse hoje à Lusa o chefe da missão de observação eleitoral da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

DR

Lusa com AFP

Lusa com AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

“As eleições decorreram num ambiente de grande civismo e com grande participação de eleitores em todo o país”, disse José Maria Neves, contactado por telefone pela Lusa.

Segundo o antigo primeiro-ministro cabo-verdiano, tudo “decorreu de forma legal, os partidos estiveram todos presentes”.

“As pessoas votaram com liberdade. As eleições foram inclusivas e contribuíram para a consolidação da democracia”, afirmou José Maria Neves, salientando que os observadores eleitorais da CEDEAO estiveram destacados em todo o país.

José Maria Neves afirmou também que a Comissão Nacional de Eleições “fez o seu trabalho”, bem como o Tribunal Constitucional e que “tudo funcionou nos termos da lei e da Constituição”.

“Houve pequenos incidentes que não prejudicaram o global das eleições”, salientou.

José Maria Neves destacou que a missão da CEDEAO tem falado com os partidos políticos para “manterem a calma e respeitarem os resultados eleitorais”.

“Haja o respeito escrupuloso dos resultados”, disse, acrescentando que os resultados provisórios devem ser conhecidos na quarta-feira.

Cerca de 5,4 milhões de eleitores escolheram domingo o próximo presidente da Guiné-Conacri, numa eleição marcada pela contestação à recandidatura de Alpha Condé e pela morte de dezenas de manifestantes.

O Presidente cessante, Alpha Condé, de 82 anos, primeiro chefe de Estado eleito democraticamente em 2010 após décadas de regimes autoritários na Guiné-Conacri, foi reeleito em 2015 para um segundo mandato e vai tentar agora um terceiro.

Durante um referendo em março, muito contestado, fez aprovar uma nova Constituição e de seguida considerou, com os seus apoiantes, que o novo texto lhe permite voltar a concorrer ao escrutínio.

Os seus adversários denunciaram um “golpe de Estado constitucional”. Segundo a oposição, pelo menos 90 pessoas morreram no último ano devido a incidentes durante manifestações contra uma nova candidatura de Condé.

PUB