Carlos Vila Nova tomou posse como Presidente de São Tomé e Príncipe

Carlos Vila Nova tomou hoje posse como Presidente da República Democrática de São Tomé e Príncipe, numa cerimónia na Assembleia Nacional, sucedendo a Evaristo Carvalho, que não se recandidatou a um segundo mandato.

DR

Lusa

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Carlos Vila Nova, de 62 anos, foi eleito com o apoio do partido Ação Democrática Independente (ADI), na segunda volta das eleições presidenciais, em 05 de setembro, com 57,54% dos votos, derrotando Guilherme Posser da Costa, apoiado pela atual maioria parlamentar MLSTP-PSD/PCD/MDFM/UDD, que suporta o executivo chefiado por Jorge Bom Jesus.

A assistir a esta cerimónia na Assembleia Nacional, em São Tomé, estavam, entre outros convidados, o Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e o Presidente da República da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló – os dois países que se fizeram representar ao mais alto nível.

Angola fez-se representar pelo seu vice-presidente, Bornito de Sousa, assim como a Nigéria, pelo vice-presidente Yemi Osinbajo, a Guiné Equatorial pelo presidente da Câmara dos Deputados, Gaudêncio Mesu, o Gabão pelo presidente da Assembleia Nacional, Faustin Boukoubi, e Cabo Verde pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Integração Regional, Rui Figueiredo Soares.

A cerimónia de posse do novo Presidente da República de São Tomé e Príncipe, eleito por cinco anos, começou com a entoação do hino nacional, com perto de uma hora de atraso em relação ao previsto.

Seguiu-se a leitura da ata de apuramento geral da eleição e a leitura do auto de posse. Depois, Carlos Vila Nova prestou juramento, nos termos da Constituição.

“Juro, por minha honra, cumprir e fazer cumprir a Constituição e as leis, defender a independência nacional, promover o progresso económico, social e cultural do povo são-tomense e desempenhar com toda a lealdade e dedicação as funções que me são confiadas”, declarou.

Vila Nova, engenheiro de telecomunicações, que foi ministro nos governos liderados por Patrice Trovoada, é o quinto Presidente de São Tomé e Príncipe, cargo anteriormente ocupado por Manuel Pinto da Costa, Miguel Trovoada, Fradique de Menezes e Evaristo Carvalho.

Durante o seu mandato, São Tomé e Príncipe deverá presidir à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), entre 2023 e 2025, depois da atual presidência de Angola, decisão que foi anunciada na semana passada.

PUB