África do Sul despede-se de Desmond Tutu num funeral simples

A África do Sul despediu-se hoje do ícone anti-apartheid Desmond Tutu com um funeral simples. O Presidente sul-africano salientou o seu papel para a liberdade e a paz no país.

DW

Lusa

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Desmond Tutu foi um “cruzado pela liberdade, pela justiça e pela paz”, considerou o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, no funeral oficial e que incluiu uma missa de réquiem celebrada na Catedral Anglicana de São Jorge, na Cidade do Cabo, cidade onde o arcebispo morreu aos 90 anos.

O corpo do arcebispo emérito de Cape Town, anglicano, esteve em câmara ardente nesta cidade da África do Sul desde quinta-feira, depois de as autoridades terem antecipado o acto, previsto inicialmente para sexta-feira, na expectativa de que um grande número de pessoas pretendesse homenagear o arcebispo na Catedral de São Jorge.

 

Conforme a vontade expressa por Desmond Tutu, o acto deste sábado não conta com os habituais “elementos cerimoniais” das Forças Armadas sul-africanas característicos dos funerais de Estado, limitando-se à apresentação da bandeira nacional à viúva do arcebispo, Nomalizo Leah Tutu.

 

A carreira de Tutu foi marcada por uma constante defesa dos direitos humanos, algo que o levou a distanciar-se em numerosas ocasiões da hierarquia eclesiástica para defender abertamente posições como os direitos dos homossexuais ou a eutanásia.

 

Nos últimos anos, afastou-se da vida pública devido à sua idade avançada e aos problemas de saúde de que sofria, incluindo um cancro da próstata.

 

Após o fim do ‘apartheid’ em 1994, quando a África do Sul se tornou uma democracia, Tutu presidiu à Comissão Verdade e Reconciliação, instituição que documentou as atrocidades durante o regime de segregação racial e procurou promover a reconciliação nacional.

“Madiba [Nelson Mandela] foi o pai da nossa democracia, o arcebispo Tutu seu pai espiritual”, declarou o chefe de Estado, antes de entregar a bandeira nacional à viúva do falecido.

 

Cumprindo a vontade de Desmond Tutu, que tinha pedido um funeral simples, a cerimónia apenas contou com o discurso do Presidente da África do Sul, com o líder mundial da Igreja Anglicana e arcebispo de Cantuária, Justin Welby, a enfatizar que o Nobel da Paz “trouxe a luz” quando as pessoas “estavam no escuro”.

 

Algumas das leituras da missa foram feitas por outras figuras proeminentes ou próximas de Tutu, como a ex-presidente irlandesa Mary Robinson, a ativista moçambicana Graça Machel – viúva de Nelson Mandela – ou a ministra das Infraestruturas Patricia de Lille.

 

O corpo do líder religioso e ícone anti-apartheid esteve em câmara ardente nesta cidade da África do Sul desde quinta-feira (30.12), depois de as autoridades terem antecipado o ato, previsto inicialmente para sexta-feira, na expectativa de que um grande número de pessoas pretendesse homenagear o arcebispo naquela que foi a sua catedral, a Catedral de São Jorge.

Cerimónia simples

Conforme a vontade expressa por Desmond Tutu, o ato de hoje não contou com os habituais “elementos cerimoniais” das Forças Armadas sul-africanas característicos dos funerais de Estado, limitando-se à apresentação da bandeira nacional à viúva do arcebispo, Nomalizo Leah Tutu.

 

Ainda de acordo com os desejos de Desmond Tutu, as suas cinzas serão colocadas na catedral, um símbolo da democracia no país conhecido como a “catedral do povo” durante o regime racista do ‘apartheid’, que governou desde 1948 até ao início dos anos 90 na África do Sul.

Herói anti-apartheid, defensor dos direitos humanos

A morte de Tutu, aos 90 anos de didade no domingo (26.12), representa uma enorme perda para a África do Sul, onde muitos o chamavam “Tata”, que significa pai.

 

Prémio Nobel da Paz em 1984 pela sua luta contra a brutal opressão do ‘apartheid’, Desmond Tutu é considerado uma das figuras-chave da história contemporânea da África do Sul.

 

A sua carreira foi marcada por uma constante defesa dos direitos humanos, algo que o levou a distanciar-se em numerosas ocasiões da hierarquia eclesiástica para defender abertamente posições como os direitos dos homossexuais ou a eutanásia.

 

Nos últimos anos, afastou-se da vida pública devido à sua idade avançada e aos problemas de saúde de que sofria, incluindo um cancro da próstata.

 

Após o fim do ‘apartheid’ em 1994, quando a África do Sul se tornou uma democracia, Tutu presidiu à Comissão Verdade e Reconciliação, instituição que documentou as atrocidades durante o regime de segregação racial e procurou promover a reconciliação nacional.

 

Tutu ganhou ainda enorme visibilidade enquanto um dos líderes religiosos mais proeminentes do mundo na defesa dos direitos LGBTQ (Lésbicas, ‘Gays’, Bissexuais, Transsexuais e ‘Queer’).

PUB