300 alunas raptadas Presidente da Nigéria considera “desumano”

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, apelidou de “desumano” o sequestro de mais de 300 alunas numa escola no noroeste do país, afirmando que não irá ceder “à chantagem dos bandidos” que esperam “o pagamento de grandes resgates”.

DR

AFP

AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

“Esta administração não vai ceder à chantagem de bandidos que visam estudantes inocentes na esperança de receberem grandes resgates”, afirmou o chefe de Estado nigeriano, citado pela agência France-Press.

“Temos a capacidade de destacar uma força maciça contra os bandidos nas aldeias onde operam, mas estamos limitados pelo medo de pesadas baixas de aldeões e de reféns inocentes que poderiam ser usados como estudos humanos pelos bandidos”, acrescentou Buhari.

As autoridades nigerianas anunciaram ontem que pelo menos 317 estudantes foram raptadas durante a invasão aos dormitórios de uma escola feminina no noroeste da Nigéria e que iniciaram uma operação para as resgatar.

Segundo as autoridades locais, homens armados chegaram de carro ao liceu estatal de Zamfara pelas 01:00 locais de ontem (01:00 em Luanda), onde invadiram os dormitórios e saíram a pé com centenas de raparigas.

De acordo com o porta-voz da polícia, foi enviada para Jangebe uma equipa das forças de segurança “fortemente armada” para “apoiar a operação de resgate em curso no local para onde as raparigas foram, alegadamente, levadas”.

“A polícia estatal de Zamfara e o Exército lançaram uma operação conjunta para salvar as 317 estudantes raptadas por bandidos armados do internato feminino de Jangebe“, afirmou o porta-voz da polícia local, Mohammed Shehu, num comunicado.

Através do seu porta-voz, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres condenou “nos termos mais fortes” este sequestro.

“As escolas devem ser sempre um lugar seguro para aprender sem medo da violência”, afirmou Stéphane Dujarric, na sua conferência de imprensa diária.

O apelo de Guterres surgiu depois de também o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) ter pedido ao Governo da Nigéria para que assegure a libertação das alunas.

O representante da Unicef na Nigéria, Peter Hawkins, afirmou que a agência das Nações Unidas está ultrajada e triste o outro “ataque brutal” no país contra crianças em idade escolar.

Hawkins considerou que o sequestro das mais de 300 alunas é uma “terrível violação dos direitos das crianças e uma experiência horrorosa para os alunos” e que “certamente terá efeitos duradouros para o bem-estar e saúde mental” destes.

Trata-se do mais recente rapto de um grande número de estudantes, sob resgate, no país onde grupos armados aterrorizam a população que também roubam e pilham as povoações.

Na semana passada, 42 crianças foram raptadas no centro do país e em Dezembro 300 rapazes foram alvo da mesma acção por grupos armados na região de Kankara, estado de Katsina.

Os grupos de crime organizado estão escondidos nas florestas de Rugu que se estendem por quatro estados do norte e do centro da Nigéria: KatsinaZamfaraKaduna e Niger.

Buhari exortou os governadores dos estados onde operam estes grupos criminosos para reverem “a sua política de recompensar bandidos com dinheiro e veículos”, alertando para um possível “efeito bumerangue desastroso”.

Os atacantes são motivados pelos lucros dos resgates que impõem ao Estado e às famílias e muitos mantêm ligações com grupos extremistas islâmicos no noroeste do país.

A violência na zona já fez mais de oito mil mortos desde 2011 e obrigou 200 mil pessoas a abandonarem os locais de residência de acordo com uma investigação do International Crisis Group publicada em maio de 2020.

PUB